CasaDeCristal, lazulli, eu, mary paz, humanidade escravizada, a grande mãe, 2006, 1990, poesia. livros
Quarta-feira, 10 de Dezembro de 2008

Dedicado a uma amiga

 


Aninhas

 


Vagueavas pela Terra

Perdida de vida em vida

E, em cada uma delas

O peso era maior

Os dissabores da existência

Tornaram-te esquecida

Vagueaste por terras desconhecidas

Fizeste aparentes descobertas

Vivendo cada vez mais a vida

E, nesta roda perpétua

Presa já não só da vida e sim de ti própria

Tiveste num destes momentos

Um único pensamento

Viver

Desistis-te

O tempo era já longo

Perdeste-te no teu ganho

Porque finalmente venceste a vida

Que te subjugava há muito tempo

Mas, lá no íntimo de ti mesma

O incómodo do real que abraçaste

Porque não querias ser mais vencida

Continua a incomodar-te

Mas ganhaste nesta vida

À espera da outra, onde tudo recomeçará de novo para ti

Sempre no início do movimento... do descomunal movimento

Porque no passado que não existe, desacreditaste de mim

Desacreditaste que eu existia ou poderia vir a existir

E aqui estou eu palpável a teus olhos sempre atentos e desconfiados

Sempre ansiosos para me desvendar

Para me possuir

Para me ter

Mas o teu íntimo luta contra a tua vontade

Sabes-me

Inalcançável . Impossível. Distante

Eternamente fechada no meu mundo

Mundo onde ninguém pode entrar

Nem tu com todo o teu amor e persistência

Tens capacidade de vencer ou de mudar

Como fizeste com a Vida

É ela mais fácil que eu

A difícil

Que ganhaste

Tu podes não querer

Mas o teu íntimo sabe da minha existência

É essa. A da tua eterna suspeita.

Por isso, não tentes mais

O intentado

Vai ficando num longe perto

Mas, não me queiras

Porque não me terás

Como a vida exige a todos

Tu sabes que não

Por isso ficaste sempre por perto

Desiste sim de mim

Mas não da minha Alma

Daquela a que apelavas

Ainda criança menina

Como sabes

Tardei, mas vim

E que perigos corri para te resgatar a ti e quantos outros

Mas até eu me sinto perdida nesta roda infinita chamada vida

Levarei até ao fim o meu propósito sem me trair ou sucumbir

Os desafios e as tentações são imensas

E a minha força também está em ti

Se fosses mais tu e menos mortal

Eu me salvaria deste lamaçal onde me sinto atolar todos os dias

Não confrontes o que não é confrontável

O teu olhar de certeza ou dúvida trespassa o meu Ente já doente

Onde poderá renascer a ira ou a vontade de partir sem nada levar

E também eu dizer

Não vale a pena

Que a roda continue

E que os senhores da roda continuem o seu movimento

Não mais os importunarei

Por vezes... muitas vezes... queria só ser humana

Animal ignaro e estranho que me apoquenta

Ser apenas um de qualquer um deles

Mas, a natureza é outra

Uma outra que me exige acabar com o que um dia foi determinado

Por isso tudo e muito mais

Gostaria de poder te pedir

Porque pensas o impensável

Porque me misturas sem me quereres misturar

Não sabes que dói ?

Sabes... Tu sabes tudo sobre mim

Sabes o que importa saber

Não peças ou queiras mais

É este mundo ou esta vida

Ou esta estranha gente mais importante para ti do que a tua essência?!

Não me penses

Porque errarás

Não tentes

Não me obrigues a pensar

Deixa-me apenas estar

Deixa-me rir junto contigo

Não duvides

Porque é de ti que estás a duvidar

Junto a ti

Os teus pensamentos humanos torturam-me tu sabes

Não me faças recuar

Gostaria de te falar a verdade

Não porque o não saibas

Por mim, só por minha necessidade

Mas, quase que iria cometer mais um erro

Mas tudo foi a tempo

Infelizmente

Não me deixaram enganar

Eu quis

Mas eles não me deixaram

Trataram de impedir

Um erro crasso

E sozinha vou continuar

Nesta mistura horrenda de mortal mal acabada

Intrusa, em território inimigo

Valente guerreira universal ferida

Maltrapilha numa guerra sem quartel

À espera de cada um dos meus próprios sorrisos

Sem perguntas ou desafios.

Muitas vezes me pergunto

Se voltarei a cruzar as duas Terras

Nesta guerra perdida falando dificilmente uma linguagem que não é a minha

Quando adormeço

Já não choro amando o meu amor imenso e terno

Perdido

Para sempre Perdido

Recuso-me pensar

Olhar o espelho e ver a natureza de que sou constituída

Quantos foram os que viram o que sempre quiseram ver

E não quiseram acreditar

Aceitar esta cumplicidade

Tua alma sabe que cheguei

Chamei-te e tu vieste

Afastei-me não de ti mas da tua força de vida

Por recear ficar ferida

E neste instante dentro de mim reconsidero a minha força oculta

Mas como simplesmente humana não posso

Querer-te perto de mim

Só quero continuar a ter

A tua estranha Amizade

Mas

Só Amizade.

 

 

(2003)

sem caminho para percorrer
amizade, poema, poemas, poesia

publicado por lazulli às 10:42
Setembro de 2007

EscritoPorLazulli lazulli às 12:12
| comentar

UmaEstranhaNumaTerraEstranha

VerNaCasaDeCristal

 

ImutáveisSãoAsPalavras

Janeiro 2018

Setembro 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Junho 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Janeiro 2012

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Intemporal

... cega ...

AsMinhasFotos/Imagens

DireitosDeAutor

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. OsEscritosDesteBlogEstãoRegistadosNoIGAC Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. DireitosDeAutor É expressamente interdita a reprodução parcial ou integral de todos os escritos deste blog por qualquer processo, incluindo a fotocópia e a tradução e transmissão em formato digital. Exceptua-se a reprodução de pequenos excertos para efeitos de recensão crítica ou devidamente autorizada por escrito pela AUTORA do Blog CasaDeCristal, lazulli. Peço desculpa aos que me lêem por ter que ser assim e obrigada. lazulli - (inp) M.D.L.M.D.F.D.C.B.

TraduzirOBlog

Google-Translate-Chinese (Simplified) BETA Google-Translate-English to French Google-Translate-English to German Google-Translate-English to Italian Google-Translate-English to Japanese BETA Google-Translate-English to Korean BETA Google-Translate-English to Russian BETA Google-Translate-English to Spanish
Google Translation

NoPlaneta

PalavrasMinhas

SonsDaMinhaAlma

OsQuatroElementos


glitter-graphics.com

ARaçaHumanaÉAssim