CasaDeCristal, lazulli, eu, mary paz, humanidade escravizada, a grande mãe, 2006, 1990, poesia. livros
Terça-feira, 9 de Dezembro de 2008

Mary Paz - Primeiro Capítulo (13)

(continuação)

 


Já a um metro dela, o andróide parou e parecia aguardar que ela tomasse qualquer decisão. Mas apesar de Mary adivinhar o que ele pretendia, não se moveu do sítio em que se encontrava aguardando o que se passaria de seguida. Não estava com disposição de acatar ordens de ninguém e muito menos desta entidade artificial. Contudo não teve muito tempo para ver a reacção da coisa à sua teimosia. Por instantes vê-o levantar o braço e, adivinhando as suas intenções, atirou-se para o chão no mesmo instante em que um raio de luz ultra violetas, cruzou o ar em sua direcção. Rastejou até junto do amontoado de pessoas mais próximo na tentativa de fugir à sua investida, mas estes pareceram não se terem apercebido da presença dela continuando a esgravatar na terra completamente indiferentes ao que estava a acontecer à sua volta.  Teve esperança que o infernal aparelho, semelhante ao homem, se desinteressasse dela, mas isso não aconteceu. Num ápice, sentiu-se suspensa no ar e quase que imediatamente, ir aterrar junto dum monte de terra que tinha acabado de ser retirada dum enorme buraco mesmo a seu lado. Espantada, vê finalmente e realmente o que aquela colmeia humana fazia de cócoras no chão. Eram túneis! Túneis imensos que se interligavam uns com os outros entre si, como se alguém pretendesse fazer um mundo subterrâneo.

Mas construir um mundo subterrâneo com as próprias mãos humanas?!... Não queria acreditar! Depois de terem munido o recinto de torres descomunais que deduzia, controlarem as pulseiras nos seus tornozelos para que ninguém arredasse pé e um eficiente guarda artificial, aparentemente capaz de realizar este doloroso trabalho sem sofrer nada, porque usavam seres humanos tão debilitados para realizar as suas intenções? Que espécie de gente era aquela, capaz de destruir o seu semelhante de um modo tão macabro, para poupar uma máquina possante e totalmente insensível? Nenhuma lição de humanidade tinham aprendido estes homens, agora capazes de construir um novo mundo sobre o sofrimento e dor de tantos milhares de seres humanos.

Mary, não acreditava, depois disto, na regeneração humana. O Homem sempre teria que ter o Poder sobre outro homem, sempre! Não se contentava ele em apenas existir. Para ele existir só era possível com outros a sofrer. O homem não voltaria a compreender... Qual o futuro do que ela via? Estava certa que haveria um futuro... Mas qual? Embora não querendo, parecia que a vida estava a querer que ela fosse parte integrante desse futuro. De que lado?! Sabia que fazia parte dos mais desfavorecidos, vítimas como ela do holocausto, mas tinha consciência de não pertencer a esta nova raça de bárbaros que se atropelavam uns aos outros numa existência difícil para todos, mas dos que restaram intactos da antiga civilização, daqueles que se mantinham ocultos, algures, direccionando os restantes com a pretensão de erigir uma nova civilização, também não fazia ela parte. Continuaria a ter uma vivência, sem pertencer a nada e a ninguém. Maldita vida, que não lhe permitia a escolha de não viver. Antes pelo contrário, lutava com ela para que sobrevivesse.

Já suas mãos ensanguentadas esgravatavam a terra fria, quando se apercebeu dos dedos descarnados que remexiam a terra junto de si. Os gemidos de dor à sua volta, eram-lhe mais difíceis de suportar do que as dores que iam aumentando nas suas próprias mãos. A seu lado uma criança caiu, indo encostar-se a ela. Um arrepio percorreu-a por todo o corpo. Liha... Tinha sensivelmente a idade de Liha! Parou de “cavar” indiferente ao cadáver da criança, todo envolto numa lama de sangue. Liha também poderia estar viva, naquele ou noutro local; embora não acreditasse muito que tivesse sobrevivido a tal horror. O que teria acontecido à sua filha? Teriam os deuses permitido que o sofrimento lhe tivesse sido poupado? Tão frágil e tão imune aos efeitos das radiações, pelo menos foi assim que a viu quando a multidão a tragou e a fez desaparecer para sempre de si. Liha! Liha! Que é feito de ti minha filha? A recordação de Liha, não lhe permitiu ter mais forças para continuar a esgravatar a terra. Antes de cair inconsciente, lembra-se de ver ainda em torno de si, mãos descarnadas que vertiam um líquido viscoso e fedorento. As imagens, iam passando cada vez mais rápidas diante de seus olhos semi fechados, até que só o rosto de Liha, alegre e sorridente, se fixaram na sua mente, como se o holocausto nunca tivesse acontecido.

 

(continua)


"Os Filhos do Sol"

ficção, livros

publicado por lazulli às 19:10

Quarta-feira, 29 de Agosto de 2007


EscritoPorLazulli lazulli às 11:32
| comentar

UmaEstranhaNumaTerraEstranha

VerNaCasaDeCristal

 

ImutáveisSãoAsPalavras

Janeiro 2018

Setembro 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Junho 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Janeiro 2012

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Intemporal

... cega ...

AsMinhasFotos/Imagens

DireitosDeAutor

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. OsEscritosDesteBlogEstãoRegistadosNoIGAC Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. DireitosDeAutor É expressamente interdita a reprodução parcial ou integral de todos os escritos deste blog por qualquer processo, incluindo a fotocópia e a tradução e transmissão em formato digital. Exceptua-se a reprodução de pequenos excertos para efeitos de recensão crítica ou devidamente autorizada por escrito pela AUTORA do Blog CasaDeCristal, lazulli. Peço desculpa aos que me lêem por ter que ser assim e obrigada. lazulli - (inp) M.D.L.M.D.F.D.C.B.

TraduzirOBlog

Google-Translate-Chinese (Simplified) BETA Google-Translate-English to French Google-Translate-English to German Google-Translate-English to Italian Google-Translate-English to Japanese BETA Google-Translate-English to Korean BETA Google-Translate-English to Russian BETA Google-Translate-English to Spanish
Google Translation

NoPlaneta

PalavrasMinhas

SonsDaMinhaAlma

OsQuatroElementos


glitter-graphics.com

ARaçaHumanaÉAssim