Domingo, 3 de Abril de 2016

Mátria

 
 
Chora o duplo a Mátria-Mãe
lágrimas de fogo ardente
esvaem-se perdidas
no sangue derramado
infiltrado
 
das mesmas vidas
 
Olha em mágoa
incontida
a preferida
no topo do ermitério
 
perdida
 
Coberta de sangue inocente
está a Terra embebida
10 000 anos já se foram
e o usurpador 
continua a devastar
a essência humana
privilégio "maldito"
 
de poucos
 
No princípio
Pós chegada
Mataram e devastaram
Impérios reduzidos a pó e cinzas
Crenças inúteis para criaturas úteis
genuínas
Estátuas tombaram
Cabeças rolaram
Pedras empilharam-se pelos solos áridos 
Pouco sobrou do mundo antigo
Ancestralidade perdida
e novas vidas
 
Senhores e escravos
escravos e senhores
Regimes dogmáticos
imbuídos de políticas
Poder de fazer
leis absurdas
nos comandos do mundo
Vidas inocentes destruídas
As mesmas vidas
 
Um só deus desconhecido de todos
Ouro é seu melhor contributo
Promete um paraíso desconhecido
ao subjugado
ao seu poder único
incontestado
Divide-os por género
matando um deles
não para sempre
porque dele precisa
p'ra procriar
Mais escravos
O ouro deve continuar
Aterrados
pela perda da sua humanidade
heróis tombam de espada na mão
para evitar
vassalagem sem perdão
aos que aqui estão
 
Cabeças vergam-se à Terra
Agradecem as vidas miseráveis
Oferta de um deus desconhecido
vindo de longe
de muito longe
Por um sopro de ar
inútil
destroem a sua natureza
implantando natureza desconhecida
Erguem-se templos
precisos
 
2 000 se passaram
Muitas "leis" foram lançadas
A pobreza a miséria
É paga de ouro dado
A promessa era na morte
de um dia
Os senhores deuses
carrascos ao serviço do divino desconhecido
empanturram-se
de prazeres hediondos
desconhecidos dos humanos perdidos
submetidos
A conquista estava feita
A promessa a caminho
Realiza-se lenta
mas eficaz
Guerras e batalhas
grassam por toda a Terra
não toda
completamente conquistada
na "alma" ou no "corpo"
dos que ousam prevalecer
eles próprios
 
Era preciso mudar
Trazer algo de novo
ao povo
Os impérios não caíram
completamente
Ressurgiam imponentes
audazes eficazes
espalhavam-se pela Terra
numa mistura entre o antigo e o moderno
fazem perigar
o grande plano conquistador
de terra alheia
É preciso impedir o seu avanço
É preciso alterar o curso do mundo
que não verga
A humanidade tem a essência do cosmos
Algo que não é combatido
num só combate
São precisos muitos ardis
para sugar a essência não controlada
pelos predadores
Daí...
Outra ordem surge
Tão dúbia como a anterior
Afastando na aparência
os antigos "seguidores"
Mais eficaz
Mais poderosa
Com o amor
transformado em ódio
ao semelhante
A conquista já se alargou
ao canto superior da Terra
onde muitos se mantêm
gente
Mais impérios caiem por terra
Mais guerras e mais batalhas
Linhas territoriais
são conseguidas
Mais "leis" de amor feitas morte
Desta feita
Mais letras humanas surgem
do nada
Divinas
Mais do que o divino ausente
Nada de bom no bom
surge daqui
Inicia-se e rompe o mundo em esplendor
O amor
Segunda Vaga de luz
ao dispor
dos mesmos
Dor, sacrifício e sujeição
Tortura e morte
para os que aqui estão
 
Desta vez estendem-se mais longe
O oeste é seu limite
A terra fica negra de tanta morte
Aos heróis da Antiguidade
deram os guerreiros continuidade
Novas espadas travam novas batalhas
Novos mundos se criam
por persistência e teimosia
Duas forças se "criam"
Mas a mistura já foi feita
O antigo mistura-se com o moderno
4 000 anos já se foram
Na mente humana formatada
com o vírus orgânico
transmitido de boca em boca
Germina a semente
da serpente lançada
que não acaba
Quando todos a julgavam
já exterminada
 
 
Numa paz débil
A mente brilha
Ainda cancerígena
Lambendo ainda as feridas das fogueiras
A humanidade caminha
em esperança
Recupera o tempo perdido
E mostra seu esplendor e inteligência
A igualdade dos primeiros tempos
espalha-se como um Sol
Sacode a baba da cobra que os enrola
Estão perto do progresso devido 
Da verdade. justiça liberdade. 
Amizade entre irmãos
da mesma espécie
Prosperidade
Assim pensam eles
na sua ingenuidade humana
Mas a tocha que lhes trazem
é a mesma 
Só que não sabem
Nem supõem
que os pilares onde assentam
suas crenças
São falsos
Trazidos pelos mesmos
na sua luta contra a raça-humana
Sempre ocultos 
aos olhos de todos os crentes de sistemas perniciosos
ao vivente
A gente
 
O pérfido vingador
Rei e senhor de muitas guerras e batalhas
não se contenta
A terra prometida continua prometida
Do olho negro espreita
e solta a aliança aparentemente perdida
Ouro negro eclode do subsolo
A aliança mais uma vez se concretiza
Ouro riqueza desmedida
Salivam loucos de alegria
por beneficio tardio
Estavam preparados à muito tempo
cumprindo os preceitos malditos
Mereciam
Mereciam o ouro negro
esta legião negra na alma
zelosa do oculto
Chegara a sua vez
E o terceiro irmão rejubila de alegria
E avança ao mundo inteiro
Com dinheiro
Milhões lhe prestam vassalagem
Rodopiam esvaziando suas mentes
de humanidade
E volta a animalidade
dos desalmados
Sangue jorra e continua a jorrar
Ninguém vê
Por encobrimento dos mesmos
noutros locais
aguardam
na esperança encoberta
das areias do deserto longínquo
onde dorme
a Arca... "perdida" "roubada"
vinda de fora
Absorve-os
E ao mundo inteiro
O dinheiro
 
Ambiciosa escumalha
quer tomar parte
desta nova/velha
senhora que rasteja desde o Deserto
à 10 000 anos
Sai da arca e mostra-se
Bebe sangue
Sangue humano
A imortalidade
E... lá continua sua marcha
Dirige-se ao centro
A nova legião segue-a desde o deserto
Imbatível
A mesma linhagem está entre eles
Uns e outros são os mesmos de antes
Com nomes diferentes em vários locais da Terra
E seus crentes atacam-se entre si
Mas eles não morrem
Nunca morrem
Nunca a raça humana
viveu tal terror e desumanidade
 
Tal desigualdade
 
Aqueles que descansam na paz
são atacados
Por todos os lados sucumbem
Não acreditam
que veneram a cobra desde sempre
Que ela está prestes a completar o seu círculo imundo
de dominar o mundo.
 
Sobrarão os filhos da serpente
escondida
na Terra prometida
 
Quem salvará a humanidade?!
Quem lhes fará frente?!
Quem os expulsará da Terra que não é deles?!
Ninguém!
 
O mesmo pérfido predador
A mesma terra prometida
Aguarda a chegada
da prol já existente
A "alma" humana está contaminada
Por adorações bizarras
a deuses desconhecidos
Com feroz legião de adeptos
perseguem os perseguidos
A Terra
é a mesma
Quem a ocupa
Não!

amorc.jpg

 
A Mátria chora
na  Terra destruída 
a Preferida
SintoMe: triste por tanta mentira à humanidade
Palavras: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

EscritoPorLazulli lazulli às 19:58
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Domingo, 29 de Janeiro de 2012

Reabertura Da CasaDeCristal

 

A Última Batalha

 

 

 

 

 

SintoMe: Apreensiva com o que está a acontecer no Planeta

EscritoPorLazulli lazulli às 22:51
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Segunda-feira, 22 de Março de 2010

O Terceiro Ramo


ReligionSymbolAbr.PNG

 

 

Da estranha e frondosa Árvore, dois ramos floriram e secaram restando o terceiro ramo o combatido e oculto pela pujança das flores dos dois anteriores, que tinha sido o primeiro local onde tudo começara.


No entanto, estes dois, secos, estéreis, por falta de credibilidade da alma, pela promiscuidade assumida e mal disfarçada, deixam à vista desarmada aquele que cresceu lenta e persistentemente nas areias do deserto, antes vistoso. Quase intocável. Afinal, a larva protegida, lembrando memórias antigas do local onde pousou, multiplica-se pelo mundo, mais do que os dois anteriores que tiveram o seu tempo, o seu momento e o seu reinado, sobre os homens da Terra. É esse que a Árvore Mãe utilizará para que as suas raízes permaneçam por mais mil anos. Nem mais Roma nem Judeia é o tempo de Romeia . (romã)


Quem se chegará à sombra desta ramagem que desponta no inverno do mundo?! Todos! De um e de outro modo, todos confluirão para o centro para serem aceites pelo deus único. E, serão! Pior de tudo será a possibilidade do 4º Poder. A unificação dos três num. Mas mil anos passará, antes de isso acontecer, se até lá nada se quiser fazer. Todos aqueles que antes se abrigavam crédulos sob a sombra dos dois ramos dominantes, hoje secos, a precisarem de ser substituídos, abrigar-se-ão, sem pejo algum, nas ramagens que aí estão. Venderam-se ou fraquejaram um dia... voltarão a fazê-lo e lutarão sem grilhões de espécie alguma aparentemente longe das religiões e das políticas que albergam os três, em um. Como actuará ou sob o que actuará o terceiro ramo?! Sobre o que de mais sórdido tem a alma humana; a ambição da diferença, o poder dos escolhidos! - Mas não se estendia já a frondosa árvore e os seus tentáculos, ao mundo inteiro?!  - Não, totalmente. Apesar da infinidade de folhas, de variadíssimos tons, da frondosa, espalhadas em todas as direcções da alma carente de verdade, ainda existem muitos puros que não sabem que são puros e estão ao serviço da Árvore que tudo comanda na lei e na ordem, da desordem da alma. Mas a Árvore, sabe. Conhece-os! E, há-de persegui-los para sempre! Até os ter em si! daí... Estava predestinado que assim seria, caso falhassem os dois ramos anteriores. E, falharam. Chegou a vez do terceiro ramo. E o primeiro transforma-se no terceiro. Falta cumprir-se o desejo da Terceira PedraNegra. A única que pode ser vista enquanto as outras Duas continuam ocultas. Portanto não expandiram ainda o poder que delas emana, por estarem ocultas ao olhar humano. Daí ... o Perigo de um futuro 4º Poder. ... e a humanidade nunca mais será livre ... se não entender. Se não destruir as pedras negras, guardadas zelosamente nos três locais da Terra, onde fiéis se arrastam em torno do mal que os aprisiona e os faz manterse eternamente na Terra. Longe, muito longe da Sua Origem Cósmica. A única que é pertença de si mesmo.


Tem a ver com gente?! De que lado se situarão?! - Não propriamente. - A meu ver deviam ficar unicamente do seu próprio lado. Ser únicos! Manter a Essência que lhes habita o Ente. E só por ela lutar. Unicamente. ... longe das pedras negras guardadas a sete chaves nos redutos mais visíveis do mundo.


Quem combaterá o último e terceiro ramo?! - Ninguém! Porque todos estão por e com o mesmo. A mesma lei interminável de intolerância. De ódio. Destruição. De subjugação humana, onde o poder continuará concentrado, nos mesmos. Com outras cores. Com outras bandeiras. Mas com os mesmos dizeres. Recuam no tempo e a lei ortodoxa  volta de novo, a primeira lei instituída à chegada, como se nada tivesse sido feito, o tempo todo. Como se todas as batalhas tivessem sido inúteis ... tudo planeado ao mais ínfimo pormenor, para que o controle nunca lhes seja retirado.
(O Universo chora a sua perda eterna. A sua essência estilhaçada por todo o lado. Por cima, por baixo. Aos lados do que existe e não se vê.)


Porquê?! - Porque são quase todos da mesma cepa. Ou pretendem pertencer à mesma cepa. Por isso tudo aconteceu, acontece e vai continuar a acontecer no mundo. E o mal perdurará para Sempre. Eternamente. (talvez um dia ... a essência e a matéria se defrontem e aí ... um dos lados vencerá a Grande Batalha Cósmica que teve início na Junção de ambos, separando desse modo ... as águas que tudo consomem.)


Os combatentes e os combatidos, são diferentes?! NÃO! São todos o mesmo! São feitos de "duas "Matérias" Diferentes. Se bem que sirvam, praticamente, unicamente uma delas.


Uns ainda, tentando levar a água, tanto ao Primeiro como ao Segundo ramo, consoante os seus insignificantes interesses de domínio, perante quem os fez nascer. De exposição. Mas render-se-ão. Para tomarem para si uma vivência fácil e duradoira, na submissão. (desse modo alcançam a reles eternidade)


Então, quem sobra, para impedir a Nova Catástrofe dos mil anos seguintes?! - Os puros. Os leigos. Os nada. Os pagãos verdadeiros! Aqueles que nunca se abrigaram de baixo de nenhum dos ramos da Árvore posta no meio do Paraíso. (que não se abrigaram de modo algum e mantiveram a alma intacta longe dos ramos principais e das folhas que estão sempre deles a cair e... se espalham em todas as direcções. Difícil resistir. Difícil não tropeçarem nelas devido à sua enormidade. Mas... o Ente reclama consecutivamente a Própria Origem e... por entre a Dor da Consciência... doridos... se vão desviando. E... alguns conseguem não serem cobertos pelas ramagens, pelos ramos, pelas folhas e .. até pela Poderosa Árvore que a Todos Comanda.


São muitos esses?!

 

 

- Não sei! - 

 

 

(quem tem entendimento que entenda o que diz a pequena pessoa)

SintoMe: esclarecida na Terra sobre o antes, o depois e o agora

EscritoPorLazulli lazulli às 10:09
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Sexta-feira, 18 de Setembro de 2009

Humanidade Escravizada (XXIV)

 

... continuação

 

 

Aqueles que dizem estar a praticar o bem, nesta luta que desencadearam contra o mal, mesmo no tempo da tão falada e amada democracia, imprescindível para a igualdade dos seres humanos entre si (como se isto fosse verdade), os democratas portugueses que entregaram o seu a seu dono, isto é, Angola, Moçambique e por aí fora, não aceitando continuar a matar e a morrer por um solo que verdadeiramente não nos pertencia, são capazes de perceber hoje em dia os povos que estão a ser frequentemente invadidos e humilhados por outros. Xanana Gusmão, hoje, herói timorense galardoado com o prémio Nobel da Paz, foi em tempos considerado terrorista pela Indonésia, que por acaso estava muito ligada aos Estados Unidos da América, mas este guerrilheiro/terrorista nunca baixou os braços desde a ocupação de Timor. Lutou toda uma vida para ver o seu país desocupado de invasores, que tão mal lhe fazia. E hoje, Timor, País independente, deve a este terrorista para uns, mas herói nacional para outros, a sua libertação definitiva do jugo dos carrascos. Os exemplos destes terroristas são tantos, que é difícil enumerá-los. Homens corajosos que não se vergam à humilhação e lutam pelos menos capazes, tentando a libertação dos seus irmãos e dos seus países. Mas parece que actualmente, terrorista é todo aquele que mata com bombas seres inocentes. Desculpem a minha insensibilidade, mas não vejo diferença entre uma bomba colocada num determinado local e uma bomba lançada de um avião. Ambas são mortais, devastadoras e matam inocentes. Se tiver que chamar terroristas a uns terei que chamar terroristas a outros. ­Parece que vivemos cercados de terrorismo. Tanto o terrorismo oficial como o terrorismo clandestino. E há ainda os intervenientes religiosos que nos seus palpites sempre tão piedosos, lá vão dizendo que é preciso acabar com o terrorismo. Gostaria que alguém, para esclarecimento pessoal, até para me poder defender de alguma inconveniência verbal usada inadvertidamente, me explicasse o que é isto de terrorismo. De contrário, não sei, se por desconhecimento (confesso) da lei actual desta Nova Ordem Mundial, ao escrever este livro, uma qualquer mente esclarecida, não poderá acusar-me de ser defensora deles ou, pior ainda, de sê-lo. Sei lá, já vi tanta coisa. Como hoje, com a maior das facilidades, se transforma o preto em branco e o branco em preto, não me surpreenderia. Pois bem, para quem não matou sequer uma mosca até aos dias de hoje, para quem entende que toda a humanidade armada oficialmente ou não, deveria depor as armas em sua posse, aos pés dos «encobertos» enganadores de povos; eu daria uma muito má terrorista ou defensora deles. Será que a palavra escrita mata?! Poderão acusar-me de tal?! Bem, se assim for, sou culpada de pensar, analisar e expressar o que penso desta barbárie toda que grassa por toda a Terra. Então, condenem-me mas, quer queiram quer não, não deixarei de pensar como penso e de continuar a procurar a verdade, esteja ela onde estiver.

É dura e difícil a procura da verdade, a que toda a gente sem excepção tem direito legítimo, mas esse dia irá chegar e a humanidade, depois de todas as armas destruídas, ressurgirá na busca da sua essência cósmica. Quantos mais souberem ler mais hipóteses teremos. Mas saber ler não chega, é preciso ler para saber. Eu sei que muitos de vós escrevem como legítimos pensadores de reformas e contra-reformas, mas os vossos livros retratam políticas e religiões que em nada tem a ver com a nossa verdadeira natureza divina.

O Universo é imenso de tal modo que a ninguém é permitido tão pouco imaginar o tamanho da sua grandeza. O que dentro dele existe é de tal modo variado e multifacetado que ninguém, por enquanto, tem capacidade de perceber como ele é de facto. Mas, se puser a imaginação a funcionar, talvez o céu estrelado que nossos olhos alcançam seja um imenso mar cheio de ilhas e continentes, todos interligados entre si, e era bom que, com este pensamento, os homens fossem ao descobrimento do espaço como o foram em tempos ao descobrimento do mar. Pelo menos a mesquinhez e a estupidez, com certeza, teriam tendência a acabar. É evidente que outras maldades se levantariam dentro dos homens, mas seriam maldades que poderiam servir um bem maior: o entendimento. Pois parecem animaizinhos sem inteligência; até os bichos os conseguem superar... podem não aprender nada, mas pelo menos mantêm-se como são desde sempre.

Queria muito que nas mentes do ser humano em geral se fizesse luz. É que não somos só nós que existimos neste «oceano». Vai haver um dia de junção de forças Universais e o combate entre a verdade e a mentira existirá a um outro nível e com outros meios. Chega de fazer os outros acreditar nos vossos escritos quando cada homem só por si é um livro.

 

 

continua...

democracia, ensaio, guerra, homem, livro, morte nação, terrorismo, vida

publicado por lazulli às 01:06
Sábado, 9 de Fevereiro de 2008

EscritoPorLazulli lazulli às 09:13
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Segunda-feira, 24 de Agosto de 2009

Humanidade Escravizada (XVII)

 


(continuação)

 

 

Mas contentemo-nos todos nós, mortais, porque estes privilegiados de Sua Senhoria-Deus também deambulam pela Terra e estão sujeitos às mesmas leis materiais que todos nós. Embora, curiosamente, de humanidade não tenham nada. Dão-se ao luxo de guiar a Humanidade para um precipício de dor e ignorância, porque dizem que a Humanidade é incapaz de se governar a si própria. Enfim, a Humanidade é burra. Então, o dito Senhor deu-nos divinizados espirituais e temporais para que, depois de sermos «filhos» de Deus, tenhamos que ser «filhos» da Igreja e dos políticos/governantes que nos mantêm com o mínimo indispensável, tanto material como espiritualmente.

Se a dura realidade nos diz que «todo» o homem deve trabalhar interminavelmente para garantir o seu sustento, ficamos praticamente privados de ­tempo e mesmo meios (apesar de recebermos um «salário justo» pelo trabalho que desenvolvemos) para nos dedicarmos a nós próprios e, assim, entendermos a razão fundamental da nossa existência. Além disso, como o trabalho é algo muito honrado e agrada bastante a Deus, não gostando este de parasitas e de malandros e sim de homens honestos e trabalhadores que trabalhem incansavelmente até ao fim dos seus dias, os adeptos deste Deus incrível estão sempre atentos a quem não seguir estas regras, que o Mundo tem há anos e anos sem conta, fazendo-os pagar sempre a sua falta a este cumprimento, com todo o tipo de represálias, de modo a que estes «marginais» saibam quem manda e o que acontece a quem não cumprir com o que o seu «Deus» estipulou para o Homem. Daí criarem uma infinidade de leis, canónicas e estatais, que tiram a coragem a quem ousa não seguir a lei da sobrevivência, com castigos atrozes que vão desde o aniquilamento da sua sobrevivência material até à sua ­destruição mental, fazendo-o, consecutivamente, construir tudo aquilo que será inevitavelmente destruído para voltar a ser construído . Esta é a Lei da vida que tanto apregoam como valiosa. Instável como o próprio ser humano, que mais parece um louco a correr à volta de uma casa, sem entender quando começou a corrida ou quando esta terminou ou deve terminar. E é desta vivência incompreensível e cheia de lamentos de toda esta Humanidade acorrentada que partem todos eles, mais ignorantes do que no dia em que deram o ­primeiro grito. É assim que nascem e morrem, sem puderem dizer chega! Vamos acabar com isto! Ou se vive ou não se vive! Vegetamos, isso sim, acatando leis sobre leis que se sobrepõem umas às outras e nos sufocam, acabando por nos tornar escravos de tudo e de nada e, até, de nós mesmos.

Mas o medo que têm do Deus deste mundo é tão grande que nunca se atreverão a pensar em voz alta e as dúvidas que povoam as suas mentes pensantes acerca deste seu suposto Deus, cheio de mistérios escuros e que ­deixa os Homens divagar livremente sobre si, indiferente às mentiras que inventam, continuam por esclarecer. Daí que nenhum deles seja capaz de responder que Deus é este de quem tanto falam, porque têm medo dele e, ainda, porque apontam o dedo inquisidor quando alguém se atreve a dizer que este famoso Deus não existe ou que, pelo menos, não é o Deus de toda a Humanidade, devido às diferenças enormes que existem entre os seres humanos. Esta ­ousadia e afronta às suas crenças, que tanto os escandaliza, fá-los mais filhos de Deus do que realmente são? Ou será unicamente medo o que têm, por ­desconhecerem tudo e não terem a certeza absoluta de quem são, de onde vieram e para onde irão, nesse seu final mais que predestinado por esse Deus completamente desconhecido de todos eles? A sua falta de conhecimento é tão grande que não conseguem discernir o Deus real do Deus irreal, nem tão pouco o que serão eles ou como serão de verdade. Daí ficarem ofendidos e crucificarem todos os livres pensadores, alcunhando-os de difamadores e perigosos, quando tomam a defesa de um Deus que dizem amar acima de todas as coisas. Embora, para bem da verdade, Ele vá passando quase que despercebido pelas suas vidas, não obstante a dedicação que lhe dedicam no seu dia a dia. Se não fosse terem necessidade dos seus favores, bem que Ele não seria recordado por nenhum deles. O amor que dedicam a este seu suposto pai limita-se a um peditório constante, para uma melhor vivência. Pedidos e súplicas desesperadas que ­ficam sempre por atender e que ecoam por toda a Terra sem terem quem as ouça. A indiferença do «seu» Deus às suas súplicas é de uma incompreensão tão grande que, quando os vejo, espalhados ao deus-dará pela Terra imensa, ­interrogo-me se realmente têm consciência de não passarem de marionetas movidas por fios invisíveis, ao sabor do querer, de uma força maior, que não podem ouvir, amar, contactar, derrotar... até porque nem sequer a conhecem e, pelos vistos, não estão interessados em conhecer. De qualquer modo, a Deus, também pouco importa se os Homens o amam ou não. Quer, sim, que o ­adorem, que cumpram a sua lei (que se é o que as religiões nos tentam impingir estamos mal, porque é a lei do diz e não faz). Isto é: – fala de amor e pratica o ódio e a indiferença pelos outros. O amor não é coisa que interesse muito a esse Deus, nem tão pouco a verdade; quer sim que o adorem acima de tudo. Gostaria de saber o que ganha ele com isso. Cá para mim, o ego dele e a sua megalomania é a maior do Universo. Mas não quero desviar o meu pensamento pequenino no meio de tanta grandeza. É que, como descendente do homem, passei a ser subalterna deste e, como tal, um ser inferior que teve o privilégio de sua ­senhoria Deus Pai de todos os homens (o que creio ser verdade) de ser dada, ofertada, ao meu irmão homem para que este criasse a civilização, na Terra que Deus lhe deu. Daí que o meu pensamento seja realmente pequenino no meio de todas estas superioridades, mas não tanto assim que me impeça de perceber que, como mulher, eu crio e dou a vida (claro que só depois do ataque dos espermatozóides masculinos aos indefesos óvulos femininos) e, assim, saber que o homem descende da mulher e nunca a mulher do homem, pois é dentro do ventre dela que se gera e se cria a vida. Mas este Deus mentiroso reclama para si e os seus homens os meus direitos da criação, alegando o absurdo de eu ter descendido do homem. Daí que, legitimamente, afirme que este Deus não é o meu e sim um Deus dos homens e não sei se não cumprirão estes realmente com os desígnios obscuros deste seu Senhor poderoso ao implantar leis que causam dor e sofrimento a toda a humanidade. Mesmo que me digam, e com bastante frequência, que é o Homem que provoca a fome e a dor a outros seres humanos e que Deus não tem nada a ver com isso, porque é que Ele não os impede? Porque será? Porque não quer, não pode, ou porque não é o seu Deus? Se o seu Deus pudesse impedir, mas quisesse e permitisse todo este império do mal que alastra pela Terra, era o Deus que esperam? Deviam pensar sobre isto. Quanto a mim, quero é que esse Deus de quem todos falam se lixe juntamente com os filhos dele, porque não venero ninguém que permite a desigualdade humana em todos os aspectos. E como não sou primata, pelo menos no conceito dos mortais, não receio o desconhecido, nem lhe presto homenagem, em vida ou na morte. E depois, não gosto de megalómanos que só querem ser adorados, já me chega os que existem cá em baixo (ou cá em cima...!). Se não houver um Deus como eu o entendo fico sozinha, pois mais vale só do que mal acompanhada.


(continua)

 

doente

 

publicado por lazulli às 16:01
"reeditado"
SintoMe: ... em busca dos enganadores de povos

EscritoPorLazulli lazulli às 01:16
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Quinta-feira, 11 de Dezembro de 2008

Humanidade Escravizada (XI)


(continuação)


 

Claro que para entender a sua origem e o porquê da sua existência, bastaria que o Homem pensasse seriamente na função da matéria e dele próprio, tentando perceber se a matéria existe para que o Homem possa existir ou se, pelo contrário, é o Homem que tem que existir para que a matéria possa existir e qual destes dois beneficia ou perde com a existência do outro. Se por acaso for o Homem que dá vida à matéria, então só a existência do Homem é que faz viver a matéria. Só ele é que move esta imponência «morta». É o escravo da matéria. O escravo que a mantém viva ao longo dos tempos. O que seria da matéria se o Homem não fosse seu escravo? Com toda a sua inteligência, ela só por si, como viveria? Se, por acaso, esta junção de matéria e ente coexiste porque quer ou se uma está sujeita à outra irremediavelmente ou não, é algo que aparentemente ninguém sabe. Com certeza, se o Homem começasse por analisar, por exemplo, o início da sua formação física e em simultâneo o seu sentir interior, talvez dê-se o primeiro passo para um entendimento sobre o porquê da sua existência. Mas, realmente, são já tantos os estudiosos que se dedicam a este tema que adverti-los da verdade a eles, os entendidos na «matéria», cheios de diplomas a confirmara sua douta sabedoria, seria no mínimo caricato. E a verdade, é que com a Verdade diante de si não a vêem. Pior que o cego é aquele que vê e não quer ver, isto sim é uma verdade. É que ninguém já parece acreditar seja no que for, mas continuam fingindo que acreditam. Ninguém mais parece preocupado se é verdade ou não o que a tradição diz. Parece que têm consciência que de nada lhes adiantaria a procura da verdade. Até já dizem que o que é verdade para um pode não ser para outro. Pergunto-me, imbecilmente, se a verdade só por si não deveria ser uma única, igual e imutável para todos. Num mundo, onde a mentira é conhecida de todos, parece que ninguém quer pôr a hipótese que vivemos assim porque alguém quer uma enorme mentira. Mas, se todos os homens mentem e todos os homens falam a verdade, porque será que o ser humano não se interroga se foi mesmo a verdade que lhe transmitiram ou se, pelo contrário, lhe mentiram? Aliás, há tantos e tantos motivos para pôr em dúvida o porquê da vida, que não entendo toda esta inércia humana, esta letargia, este desinteresse por si próprios, como se de dentro deles viesse um aviso de perda de tempo na busca desta verdade tão necessária a todos. Mesmo assim, continuo a aguardar o som de qualquer voz que chegue, de alguém a dizer a verdade de uma vez por todas, acabando com este mito horrendo de que a verdade não existe. Até pode ser. Aliás, neste mundo tudo pode ser e continuar a ser até ao infinito. Mas eu continuo a pensar e a sentir, daí que tudo farei, em cada segundo desta minha parca vida, para tentar impedir que continuem a manter esta farsa existencial vil e velhaca, alegando ser este o modo de vida perfeito, de uma civilização perfeita, num mundo também perfeito. As consequências das suas tentativas de melhorar toda esta perfeição imperfeita atingem a plenitude do engano perpétuo e, cada vez mais, o ser humano deixa de ser ele próprio para passar a ser os outros. Mas, para ser possível levantar este pesado e escuro véu que paira sobre todos nós, sobre a nossa origem e a nossa existência, seria necessário que o homem acabasse com o desinteresse que tem por si próprio e acreditasse que a verdade existe algures bem guardada à espera de ser encontrada. Talvez começando por investigar onde, quando e porquê se iniciou o último começo de toda esta trama diabólica ao desprevenido ser humano que caiu neste universo sempre em expansão, com a memória desgastada de um passado longínquo real e doloroso. Que tivesse consciência que só foi acatando tudo quanto viu e ouviu porque a dor apregoada era-lhe familiar, como uma outra dor que dentro de si estava mal lembrada. E chegou o dia em que a dor que não existia passou, de facto, a existir, substituindo a dor antiga e apagando de vez com essa lembrança remota de um tempo esquecido: A sua origem. Ao acatar bem e mal a transmissão de séculos, a sua resistência foi diminuindo e, hoje, depois de todas as ilusões e desilusões, não há nada em que acredite porque a incompreensão e a dor dentro de si tomou uma forma alarmante, parte integrante desta trama tão profunda que é o Planeta em que vivemos.

 

(continua)

 

quase no fim da cruzada

ensaio, homem, livros, mulher, vida

publicado por lazulli às 16:27 (Do Livro De Ensaio Sobre O Homem "Humanidade Escravizada"

Quarta-feira, 5 de Setembro de 2007

SintoMe: ... a olhar meca de soslaio

EscritoPorLazulli lazulli às 00:46
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Terça-feira, 25 de Novembro de 2008

Humanidade Escravizada (VI)

 

(continuação)

 

 

 

Por acaso, já repararam bem num velho no fim da sua vida? Ele falar-­vos­­-á da vida que viveu e não entendeu, só sabe que nela participou, mas não sabe bem porquê e para quê. E quando o seu pobre corpo, gasto, já não serve para mais nada, a única coisa de que tem consciência é que o atiram para um canto e ele passa a ser para todos um empecilho sem interesse. As suas rugas mostram-nos claramente uma incógnita: Porque veio, está e deixará em breve de estar, ele na Terra? Porque viveu ele?! Pobremente diz: Porque tinha que viver. Veio sem nada e parte sem nada, sem tão pouco ter chegado a ser de verdade ele mesmo. Mas a verdade, é que ao longo de toda a sua vida negou a si próprio o direito de querer saber de si, como se o que existisse dentro de si não tivesse valor algum, quando é ao que dá mais valor ao longo de toda a sua existência, alimentando o seu ego com inutilidades frustrantes que nunca o preenchem, dando-lhe a insatisfação característica dos mortais. Passa uns «miseráveis» anos à procura da felicidade sempre inalcançável . E isto, porque procura sempre para a alma o que é do corpo. Segue os mais variados caminhos da vida, numa busca desgastante, quando a verdade o habita bem dentro de si. Vai fora buscar o que já dentro de si mora muito antes do seu nascimento, acabando por se perder de tal modo que não mais se encontra, perturbado pela falta do que procura sem encontrar. Dá à vida a sua última esperança, dedicando-lhe tudo o que tem – que é ele próprio – e morre esgotado de si, por tanto dar e nada receber. Pratica os maiores crimes, primeiro contra si próprio e depois contra os outros, nesta dedicação cega à vida sem sentido e deleita-se na ilusão da existência, preferindo a ignorância arrogante de todos os néscios. Não quer saber porque já sabe tudo. Tem o que precisa e, muitas vezes, mais do que isso. Mas tem o que precisa sempre para satisfação do seu corpo, nunca para ele mesmo. Nasce sem nada e morre sem nada, mas apenas porque quer, porque dentro dele sempre habitou a verdade que ele preferiu ignorar a ter que descobrir.

 

 

 

(continua)

 

...
livros

 

publicado por lazulli às 12:10
Quinta-feira,19 de Julho de 2007
SintoMe: com "medo" do islão

EscritoPorLazulli lazulli às 01:14
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Domingo, 23 de Novembro de 2008

Humanidade Escravizada (V)

 

(continuação)

 

 

 

Assim sendo, quer queiramos quer não, este «Deus», ao fazer a lei da sobrevivência (onde a selecção das espécies passa pelo poder dos mais fortes abaterem ou vencerem os mais fracos), - dizem-me que o termo “espécies” não se aplica à humanidade, porque nela mesma é que, sim, existem “espécies”. Mas, normalmente, o termo humanidade aplica-se a todo aquele que é humano. E, aí, injusta e incorrectamente, ficariam de fora, as restantes espécies existentes, que fazem parte desta humanidade, exactamente com os mesmos direitos e necessidades de sobrevivência. - fez a aniquilação da Humanidade! Quis e quer as desigualdades, de contrário não teria criado um desnivelamento tão grande entre todos os seres, muito principalmente quando resolveu delegar os seus poderes sobre a Humanidade nos seus favoritos (Senhores do Mundo), que não passam de carrascos que asseguram eternamente a submissão e ignorância do ­Homem, ao dizerem desde sempre a todos eles que o seu Deus (e só pode ser o Deus deles, ou não teriam os privilégios que têm sobre os outros na Terra) é eternamente bom e sábio. Mas que saber e bondade é a deste Deus que faz um Mundo onde a desgraça física e emocional atingem os valores mais elevados de perversidade?

 

 

 

Quando Deus fez a Terra, a Galáxia (e já agora biliões de galáxias, o mais forte e o mais fraco, o bom e o mau, a inteligência e a ignorância), permitiu que se trocasse a ignorância por saber e o saber por ignorância, ficando o terreno humano mais fértil às pretensões dos «filhos de Deus», que puderam a partir daí implantar a sua semente que proliferou até hoje, trazendo a morte, a dor e a agonia, onde todo o mal proliferou por entre mentes cansadas de existir à espera de um descanso que nunca chegou e nunca vai chegar, porque só depois de mortos saberão o porquê de assim ser. Mas saberão o que já não podem remediar e voltarão outra vez cegos num mundo de cegos, outra vez surdos num mundo de surdos e atacar-se-ão consecutivamente até à exaustão e, no fim, não sobrará nada da dita razão. E, com ou sem valores, o Homem será sempre um escravo desde que nasce até que morre. Desde há milénios que corre incansavelmente em busca de algo que o faça entender a sua própria existência, terminando sempre a olhar para o seu próprio corpo, indefeso e sem entender. Muitos foram já os que deixaram esta procura, porque entenderam mais depressa que muitos outros que nada há para saber. Que viver é viver. E vivem de qualquer modo, indiferentes a tudo e a todos, até mesmo a eles próprios. Porque, embora passem por um tipo de aprendizagem quase que convincente, as dúvidas continuam a prevalecer ao longo de toda a vida e uma angústia terrível acaba por se instalar dentro de cada um, fazendo-o esquecer de vez quem é e o que realmente procura ou deveria ter procurado.

 

 

(continua)

 

decepção
livros
 
publicado por lazulli às 12:16
Segunda-feira, 16 de Julho
SintoMe: ... triste pelos curdos

EscritoPorLazulli lazulli às 17:21
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008

Humanidade Escravizada (II)

 

 

(continuação)

 

Ora, se recolhida a célula clonada de um determinado indivíduo, tendo em vista a criação de um outro indivíduo, tem que ser introduzida num outro indivíduo e este feminino, de modo a que a gestação do novo ser, até ao seu aparecimento, se possa finalmente concretizar. Perante isto, Deus não teve alternativa senão ter que recorrer a um corpo feminino já existente, para o aparecimento do seu amado Adão. A criação concretizada, só acontece depois de gerada, de contrário, no que diz respeito ao ser humano propriamente dito, nenhum ser existiria. Um corpo feminino terá que ter sido imprescindível em todo este processo, senão, não teríamos o aparecimento do Adão e da Eva. Como Paraíso quer dizer, em hebraico, segundo o mencionado em “Eram os Deuses Astronautas” por Erich von Daniken, pomar de fruta ou laboratório espacial, a possibilidade da raça humana ter sido clonada por este Deus Cientista, não é de todo de se desprezar. Penso que a conclusão de Erich von Daniken, se baseia na própria designação de Paraíso, onde um jardim fechado num recinto, é mencionado de vários modos:

 

Do antigo Persa, apiri-doeza ou poridoeza (pomar rodeado de um muro; recinto circular).

Hebraico: pordés (jardim)

 

Grego: poradeiros

Éden: jardim plantado no meio de um campo feliz.

 

Com tantas possíveis divagações sobre o aparecimento do Homem na Terra, tinham logo que optar por uma fantasia ridícula e insignificante digna de aceitação, só por parte de mentecaptos.

Desde que o Homem apareceu na Terra – e este aparecimento perde-se na noite dos milhões de anos passados – justificou-se sempre o seu início e o seu fim de todos os modos que a palavra escrita e falada nos possibilitou, sem tão pouco algum dia termos percebido como, porquê e para quê este seu «aparecimento». Talvez por isso, procuramos e não encontramos, porque nada há para ser encontrado. O princípio, que ninguém pode afirmar que tenha ou não tenha existido, e o fim, que aparentemente parece existir em tudo, não é certo para nada nem para ninguém.

Culpa de quem, este mistério da vida? Quem é ou quem são os responsáveis por todo este silêncio perpétuo, que tende a manter-se cada vez mais inacessível à grande maioria dos que ainda cá se encontram, dos que hão-de vir e dos que por cá já passaram sem resposta?

Só obtemos o resultado final de um problema se tivermos o enunciado desse mesmo problema e também o que se pretende saber. Na vida, não temos o enunciado nem tão pouco sabemos o que se pretende com a existência humana e, não só mas também, com a existência de todas as outras espécies. Daí que nos seja praticamente impossível saber o produto final. Isto é, se alguém pretender saber porque realmente existe, as parcas e insuficientes explicações que tem à luz dos conhecimentos actuais, façam eles parte do passado, do presente ou do futuro, são: nasceu da união sexual de dois corpos humanos a quem Deus, anteriormente, já tinha dado a vida, permitindo-lhes, assim, produzirem outros indivíduos semelhantes a si mesmos, de modo a manter e perpetuar a sua espécie. Como resultado do cruzamento destes dois elementos, obtém-se um terceiro elemento que é o produto da sua tão zelosa reprodução. E com este novo elemento, retirado dos dois anteriores, surge a família, a qual por sua vez, garantirá para sempre a continuidade da imortalidade com a criação de novas famílias que se perpetuarão até ao infinito. Neste processo de multiplicação infinita, assegurar-se-á a criação do homem pelo homem, onde a procriação fará jus ao lema:


«Prolificai e multiplicai-vos.»


Realmente, a espécie humana e todas as outras, existem graças ao processo da sua própria multiplicação. Mas, na sua essência, ninguém explica o porquê de assim ser, como tudo isto começou ou mesmo com que finalidade. Nem a teoria de Charles Darwin relativamente ao problema da origem e evolução das espécies – que demonstra que a vida surgiu gradualmente na Terra e que os seres vivos se desenvolveram de acordo com um processo evolutivo, das formas inferiores às superiores –, nem tão pouco pura e simplesmente acreditar que a vida é um bem precioso que tivemos a felicidade de obter de um ser bondoso, que ninguém conhece, conhecendo nós, apenas, os nossos progenitores/criadores, que são os nossos pais, que não só nos dão a vida como nos criam neste vale de lágrimas infinito onde vamos caminhando sem rumo e sem destino.

 


(continua)

 

...
livros
 
publicado por lazulli às 14:22
Terça-feira, 3 de Julho de 2007
SintoMe: impressionada com a inércia dos humanos e as suas alterações mentais egoístas

EscritoPorLazulli lazulli às 01:10
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Sexta-feira, 7 de Novembro de 2008

Mary Paz - Primeiro Capítulo (3)


(... continuação)

 

A lei do Homem que come outro Homem, para a preservação desta nova raça, (meio homem, meio mutante) é o ser útil à sociedade presente. Lei esta que acaba por ser uma sequência da lei implantada na Terra desde os primórdios dos tempos. Assim sendo, a sociedade vigente, continuaria a ser até ao fim dos Tempos, (caso estes venham algum dia a existir) a continuidade das leis das sociedades anteriores, pois que em todas elas o poder dos mais fortes sobre os mais fracos, sempre foi a que o Homem adoptou na sua vida na Terra, de forma a poder subjugar os mais frágeis em prol dele mesmo. Isto, porque, na memória dos Homens, estava registado que um tal Deus deu a Terra ao Ser mais capaz, de forma a que este dela soubesse tirar proveito. Realmente, a criação deste Deus, bem que soube tirar proveito desta Terra que lhe foi dada por herança, consumindo-a até que dela não pudesse tirar mais nada, deixando-a completamente despida de vida. Mas este Senhor poderoso que é o Homem que Deus criou à sua imagem e semelhança, não se contentando em destruir o que o seu Deus lhe tinha dado para viver, começou por fim ou princípio, a consumir os filhos de Deus para seu próprio sustento. Embora que já desde o princípio da humanidade lhes tenha vindo a consumir a alma com falsas verdades, desviando-os assim dos seus verdadeiros fins.

 

 

 

Parece até ironia do destino. O Homem que Deus fez, ultrapassou o seu Criador. Dele, hoje não resta mais nada a não ser um “Ser”, que não é o Homem que Deus criou e colocou sobre a Terra, nem tão pouco o filho da Terra que lhe deu o corpo, pois que a esta, também este acaba de destruir, prescindindo dela para sobreviver, com a arrogância que sempre o susteve. A ambos, o Homem sempre soube retirar o que mais lhe aprouve e talvez quem sabe, tenhamos pela frente um novo Deus, surgido provavelmente de uma vingança para com os que o fizeram: A Terra e Deus. Neste momento, passámos a ter três Deuses neste mundo:

A Terra, Deus e o Homem.

Neste momento o Homem era mais um Deus do que um simples "mortal".

Não prescindia ele das leis essenciais à vida, das duas forças que o sustiveram durante milénios? Ele estava, até, pronto a desafíá-las.

Como será o futuro com o aparecimento desta nova espécie? Mary desejava não ter nunca que se defrontar com nenhuma destas três forças, pois às três conhecia bem. Não era também ela, um pouco de todas elas?

 


(continua...)

 

bem...

livros

publicado por lazulli às 10:37

Junho de 2007

SintoMe: saindo de cima para tentar impedir o que rasteja pelo mundo

EscritoPorLazulli lazulli às 22:36
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Terça-feira, 4 de Novembro de 2008

Mary Paz - Primeiro Capítulo (2)

 


(continuação)
 
O Sol brilha no firmamento, atirando sobre a terra seu calor reconfortante, como se pretendesse despertar todas as formas de vida existentes naquele local. Não sabendo quanto tempo tinha permanecido ali, deitada, de novo sentiu a angústia e a desolação de se encontrar ainda viva e na Terra. Embora que numa Nova Terra, surgida do nada, que lhe era completamente estranha e totalmente desconhecida. Olhando queda, para o céu azul turquesa , passou-lhe de relance pela ideia que talvez se encontrasse do outro lado da Terra. A dualidade desconhecida de uma Terra já destruída, que preserva em si este paraíso perdido ou esquecido. A incompreensão tomou-a de novo, mas seu corpo (mais parecendo um cadáver vivente), despertou-lhe a necessidade de sobrevivência. Ah! que sobressalto se apossa de seu corpo tão carenciado de alimento. A fome, que a tornava cada vez mais fraca para perceber o que na realidade a rodeava (tal como o viajante no deserto junto ao Oásis, onde a febre provocada pela sua sede, o impede de beber na imagem de sua própria ilusão) provocando-lhe uma angústia permanente, quase a levando à loucura ou a uma morte certa. Por várias vezes, tentou manter seu corpo de pé mas, sua fragilidade física e psíquica, atiravam de novo seu corpo para o solo. Esgotada e meio inconsciente, rastejou pela poeira do chão, num dos longos carreiros distribuídos por todo o “jardim”, como um verme moribundo, mordendo o pó da terra de onde tinha surgido, como se sua ossada quisesse penetrar no solo de onde havia nascido, e se pudesse desfazer por entre cada partícula de pó e infiltrar de uma só vez por entre a névoa que se ia elevando no ar em torno de seu corpo semimorto. O barulho do riacho aproximava-se lentamente, quase que inaudível a seus ouvidos, já tão pouco capazes de captar ruídos exteriores, provavelmente provocado, pelo deflagrar do cataclismo a que assistira e vivera, ou mesmo pelo silêncio tumular que adveio após. Na Terra de ninguém ou na Terra das radiações, actualmente donas e senhoras da Velha-Terra , onde predomina a insanidade mental dos outrora donos do Planeta, acaba de ser instaurada uma nova lei de vida, em que a própria Natureza está a ser dominada a bel-prazer pelos seus actuais habitantes, restos humanos da queda do Mundo, meio Homens meio mutantes, dando assim novas formas de vida à Natureza. Ao ficar sem reservas naturais para a sobrevivência material e psíquica do Homem, devido aos átomos radioactivos que permaneceram na atmosfera e na água, e que durante muitos e muitos anos, emitirão nocivas radiações a todos os organismos vivos e provocarão alterações cromossomas neles e nas futuras gerações, a Terra “permitiu” que o Homem alterasse o curso normal da sua evolução, tornando o Planeta num caos de vida evolutiva e levando-o a colocar-se no fim da escala da espécie animal, ao procurar na maioria das vezes alimento para a sua sobrevivência entre os seus semelhantes acabando por se alimentar da carne da sua própria carne.

(continua)
hoje está lua cheia
livros
publicado por lazulli às 00:20
SintoMe: em luta com o Islão

EscritoPorLazulli lazulli às 10:40
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Domingo, 2 de Novembro de 2008

A Grande Mãe (III)

 

(continuação)


“Houve um tempo... há muito tempo... ainda eu não estava a caminho da Terra... em que os homens e as mulheres eram irmãos e coabitavam juntos. Era um mundo fantástico de harmonia e, por esse tempo, no Tempo Antigo, todos eram felizes. Não tinham armas, não tinham que se proteger, nem tão pouco da Mãe Natureza; porque, esta, amava os homens e mulheres do Tempo Antigo. Respeitava-os e entendia-os. Nesse tempo... os viventes sobre a Terra, adoravam a deusa Mãe e respeitavam-na ainda; mas só as mulheres podiam comunicar com ela. Onde quer que estivesse o mais pequeno ser feminino, lá estava a deusa Mãe a protegê-lo. Muitas das vezes, na floresta, muitas irmãs iam aconselhar-se com os gnomos, habitantes da floresta e mais próximos fisicamente da Grande Mãe e, era lá que recebiam as directrizes da vida. Nenhuma planta era cortada sem que a Mãe Natureza, para isso não desse o seu consentimento e, também, nunca nenhum animal era abatido. Todos viviam livres e felizes. Os seres. Humanos no seu todo. Animais e Natureza. Mas ouve um dia... que até a Mãe Natureza não podia alterar. Eram as forças Cósmicas em movimento, que levariam a uma luta entre a Grande Mãe e as forças de que faz parte. Forças essas que nenhum humano tem poder para combater. Nas suas viagens pela floresta, muitas de nós, foram avisadas pelo que ia acontecer. Uma guerra tremenda entre a Terra e as suas forças. Estavam revoltadas umas contra as outras. O ar, a água, o fogo e a terra. Os quatro elementos, estavam em conflito permanente, ameaçando a vida na Terra. O seio da Grande Mãe, revolvia-se porque, queria preservar a vida que continha em si e, foi alertando para o que ia acontecer. Só que os homens desse tempo, não quiseram acreditar nesse presságio, porque eles não ouviam a Mãe Natureza. Viviam nela, mas não faziam parte dela e, recusaram ouvir os apelos das musas que os alertavam. Muitos anos de polémica, estalou-se entre uns e outros, dividindo assim todo o mundo. Parece, que aí, começaram os primeiros desentendimentos entre os homens e as mulheres. As diferenças começaram a sentir-se. Elas diziam que era preciso protegerem-se das forças que estavam a caminho e eles recusavam-se a aceitar que isto fosse verdade. Se era verdade que a Mãe Natureza alertava do perigo, porque não falava ela com eles?! Eram eles filhos dela também! O despeito e a inveja, tolheram os seus olhos e, não se precaveram contra o perigo que acabaria por se dar. A Comunidade do Tempo Antigo estava dividida e ninguém conseguia estabelecer a paz quebrada entre uns e outros. Os anos iam decorrendo uns a seguir aos outros e nada acontecia, o que levou os homens, a julgarem as mulheres, pela sua irresponsabilidade e, a começar a dar-lhes menos crédito nas suas adivinhações. Eles próprios, começaram a erigir os seus próprios lugares de culto à natureza, e, aí, na tentativa de fazerem prevalecer as suas certezas, começaram por iniciar sacrificos com animais que iam apanhando. E, muito mais tarde, este sacrifício, estendeu-se aos próprios irmãos e irmãs, que discordavam abertamente, das suas opiniões. Aí, nunca mais a Terra esteve em paz. O sangue inocente jorrava incessantemente, quando estes pretendiam obter benefícios dos deuses.

A Mãe Natureza começou a ficar zangada quando via os seus filhos a serem mortos para adoração. O choro das mulheres começou a alastrar pelos cantos das florestas, enfurecendo ainda mais a Grande Mãe. Também... porque é que a Grande Mãe culpava os homens?! É um mistério... a verdade é que ela embora os tolerasse no seu meio físico... parece que a sua alma nunca foi verdadeiramente considerada. Pensamos nós, ainda hoje, ser, porque assim como ela, nós geramos e criamos a vida e, eles não. Mas... certeza não temos... porque a comunhão com ela desde esses tempos, não é a mesma, está mais ou menos quebrada.


 

(continua)

livros

publicado por lazulli às 17:03
Segunda-feira, 14 de Maio de 2007
SintoMe: ... atentado islâmico na Bélgica e continuam a fazer de conta

EscritoPorLazulli lazulli às 10:41
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Sábado, 1 de Novembro de 2008

Quisera

 

 

 

Quisera puder não existir

Para não sentir o que eu sinto.

Quisera pertencer a outro mundo,

Mais pequeno e mais profundo,

Onde só existisse o amor.

Quisera nesse mundo tão vazio

Correr por entre as ervas e os rios

E beijar, com meus pés, as flores por onde passasse.

Quisera existir eu! noutra vida

Que não estivesse de fugida

Para não me fugir dos olhos e de mim.

Quisera puder ver nesse mundo que existe em mim

O nascer e o pôr-do-sol

E com ele acordar e adormecer.

Quisera ouvir da estranha linguagem do meu sonho,

A natureza,

De constantes palavras de amor.

 


 

publicado por lazulli às 13:47
14 de Maio de 2007
poesia
SintoMe: em paZ

EscritoPorLazulli lazulli às 08:15
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais

Prisão Iraquiana



 

 



Lembra-te ó homem

da razão da tua existência

E se a memória não chegar

olha o mundo à tua volta

muito tens que olhar

parar os olhos nas imagens que te chegam

do mundo novo

que já chegou.


Dentro dos muros não derrubados

por poderes medonhos

“escondem-se” os inocentes

de olhares furtivos

Os gritos de horror

amordaçados

ecoam abafados pelo ar rarefeito

da prisão maldita

Antes e depois

mantém-se o inexplicável.


Homens e mulheres ultrajados

na sua dignidade humana

rastejam pelo chão

como vermes inumanos

Os carrascos incentivam à degradação

deleitam-se na dor e sofrimento

dos humilhados

Cães roem carnes desfeitas

Mastins comandam mastins

Trelas ao pescoço do humano

transformado em bicho.

Agressões e violações

horrendo holocausto a inocentes cidadãos.

Ó mundo para onde vais?!..

Não existe perdão em parte alguma

para tão horrendos massacres

E tu cristão

baluarte do amor e da paz

finges que não vês o visível o real

e apontas

o dedo em riste

acusando o acusado.


Mulheres violadas por homens de aparência humana

às dezenas eles observam esperando vez

salivando de prazer hediondo

rostos feridos sem esperança

do grande ser

tombam pelo chão inertes

nem Alá ou Deus

nem deuses homens ou defensores

ninguém chega para punir e acabar

com o palco mais horrendo do mundo

nenhuma guerra se lhe compara

nem as que foram ou as que estão

Caça ao humano

Caça desenfreada a gente.


Sentada

do outro lado do mundo

a alma viva morre

com a morte lenta

que lhe trespassa o Ente

percebe entende

sanidade na insanidade de um mundo doente

outros vão ocupando o lugar humano e a cobardia humana

observa os sacrifícios do seu semelhante

rezando para ser poupado

preferindo obedecer aos novos senhores da terra

Adormeço dentro de mim

estranha morte que não tem fim

tanto silêncio pai

tanto silencio

nunca o meu sono foi tão profundo

neste mundo

nunca demorei tanto a acordar.


O tempo acaba

e chega ao fim

Nunca mais...

nunca mais...

Voltarei

A este mundo


(2004 maio )

sem sol

 

publicado por lazulli às 12:05

Quinta-feira, 10 de Maio de 2007

SintoMe: ... indiferente

EscritoPorLazulli lazulli às 00:15
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008

Caos

 

 

 


No princípio era o Caos

E do caos nasceu a vida

E da vida nasceu a forma

E da forma nasceu o ser

E do ser nasceu o Homem

E do Homem nasceu o pensamento

E do pensamento nasceu a razão

E da razão nasceu o querer

E do querer nasceu o ter

E do ter nasceu o poder

E do poder nasceu o deus

E do deus nasceu a omnipotência

E da omnipotência de novo nasceu o Caos.


(Março 1991)

indiferente

publicado por lazulli às 16:22

Sexta-feira, 4 de Maio de 2007

SintoMe: ... sem esperança ao ver a protecção ao Islão

EscritoPorLazulli lazulli às 15:16
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais

UmaEstranhaNumaTerraEstranha


lazulli

sempretriste

. 6 seguidores

VerNaCasaDeCristal

 

Intemporais

... cega ...

Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SonsDaMinhaAlma

SonsDaMinhaAlma

Setembro 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Junho 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Janeiro 2012

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

EscritosRecentes

Mátria

Reabertura Da CasaDeCrist...

O Terceiro Ramo

Humanidade Escravizada (X...

Humanidade Escravizada (X...

Humanidade Escravizada (X...

Humanidade Escravizada (V...

Humanidade Escravizada (V...

Humanidade Escravizada (I...

Mary Paz - Primeiro Capít...

Mary Paz - Primeiro Capít...

A Grande Mãe (III)

Quisera

Prisão Iraquiana

Caos

LeioEstes

AsMinhasFotos/Imagens

DireitosDeAutor

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. OsEscritosDesteBlogEstãoRegistadosNoIGAC Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. DireitosDeAutor É expressamente interdita a reprodução parcial ou integral de todos os escritos deste blog por qualquer processo, incluindo a fotocópia e a tradução e transmissão em formato digital. Exceptua-se a reprodução de pequenos excertos para efeitos de recensão crítica ou devidamente autorizada por escrito pela AUTORA do Blog CasaDeCristal, lazulli. Peço desculpa aos que me lêem por ter que ser assim e obrigada. lazulli - (inp) M.D.L.M.D.F.D.C.B.

NoPlaneta

Flag Counter 34 561

ÚltimasMemórias

Bem Vindo à CasaDeCristal, paulo joséConsegues exp...
paulo jose juliopra ke brincar com santo nome de d...
Vasconcelos.... como esqueceria eu, o seu blog, on...
Saúdo o seu regresso com saudade. Desejo-lhe os ma...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...

subscrever feeds

TraduzirOBlog

Google-Translate-Chinese (Simplified) BETA Google-Translate-English to French Google-Translate-English to German Google-Translate-English to Italian Google-Translate-English to Japanese BETA Google-Translate-English to Korean BETA Google-Translate-English to Russian BETA Google-Translate-English to Spanish
Google Translation

OsQuatroElementos


glitter-graphics.com PorqueAVerdadeNãoSurge AHumanidadeChoraPeloSangueDerradoDosInocentes