Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2016

Prelúdio

                                          Ainda o Tempo/Espaço não existia

nem a Forma

interligados

dão

expansão

permanente

quase infinita.

Surgiram 

milhões e milhões de galáxias

mundos materiais

Forma

Corpos Densos

Vida.

 

 

Tudo mudou

mudou verdadeiramente

nunca mais se fará sentir a inactividade permanente

porque o Tempo começou a sua devastação

o céu desceu

a Terra subiu

neste confronto

inclinou

balançando

como pêndulo

pendurado no vácuo

vagueia desnorteada pelo espaço

muito perto

de uma verdade que se aproxima.

 

 

O Sol eterno

senhor da galáxia profunda

anuncia a sua mudança

na aproximação

do que se lhe segue

não mais estará sozinho

porque a sua fonte de energia

não era mais suficiente

para aquecer o ente

à deriva

revolução no seu interior

 

 

Minúsculas são

as formas que se movem estonteantes e sem rumo

à distância de si

o reforço vem aí

mas tombam as formas de vida

que susteve durante milhares de milhares de anos

não pode mais

esgotou.

 

São milhões de milhões

que lhe fazem frente

aumentam as carnes pensantes

diminuem os seus

sacrificam

entes

roubam-lhe a sua essência primeira

a Origem

implantam-lhes tenebrosos

horrores

perdem-se na dor

no espanto

na agonia

da impotência

O oculto vem em seu socorro

acrescentar luz à luz

já fechada

reforçar o extenuado aliado humano

nunca reconhecido

na sua verdadeira função

de alimentar o ente

sozinho nesta imensidão.

 

Não pode mais meu irmão

está extenuado

revoltado

pronto a explodir

se o reforço tardar em chegar

tardar em vir

muitos sucumbirão nesta luta

de se manterem sãos.

 

Vem meu irmão.

 

 

 

 

 

SintoMe: triste pela humanidade

EscritoPorLazulli lazulli às 02:25
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Quinta-feira, 24 de Dezembro de 2015

No Rio Do Esquecimento

(.... e, sucumbi... agora... tento recuperar em prol da Verdade.... a humanidade...)
                                                               
 
Predestinação                                                                        Reconhecimento
      (2007)                                                                                                                     (2015)
 
 
 
A ave
nos céus
paira ferida

ensombrada

por setas humanas

certeiras
vacila no voo alado
que lhe estava à muito
predestinado.                                                                                                          E não queria.

 

Seus propósitos

ensombrados

por humanos

que pisam a terra dura

parecem ficar adiados   
e mergulharem                                                                                                   E mergulharam
no rio-do-esquecimento.                                                                                     Profundamente                                                                                                                                                 

 

Porque a ave                                                                                         No rio-do-esquecimento

não sabe falar a língua dos homens                                                                            aprendeu

não sabe exprimir                                                                                 a falar a língua maldita

o seu sentir                                                                                                                sem Sentido

sagrado                                                                                                       a língua dos homens

e destinado                                                                                                                sem destino.

ao Sentido.                                                          

 

Como os homens não sabem voar

para a alcançar

preferem feri-la

fazê-la mergulhar

no rio-do-esquecimento.                                                                                     E conseguiram.

 

 

Interpretam-na

de acordo com a terra que pisam

abandonam-na

na sua queda

que já se avizinha

abandonando os seus propósitos                                                              Por desconhecimento

de a ter                                                                                                                    de si próprios

de a saber                                                                                                              da sua Origem

de a proteger                                                                                                         do seu destino.

de si mesma.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                  

 

Vacilante

voa desequilibrada

sobre o nada                                                                                                                         E cai

e a pequena sombra que projecta                                                     Nas águas mais profundas

é a do seu voo alado                                                                                                       Do nada

danificado

por tão má interpretação

à sua tão

indecifrável linguagem.

 

 

O rio

que corre

são as lágrimas que verte                                                                               E nele mergulhou

de mágoa                                                                                                  E nele continua presa

de dor                                                                                                  a lianas que a entrelaçam

de culpa                                                                                das quais não se consegue libertar

por esperar                                                                                                                plenamente.

por aguardar                                                                         

por não querer

acreditar.

 

Desespero                                                                                                       Por não conseguir

por não se fazer entender                                                                  Soltar suas asas molhadas

e deitar tudo a perder                                                                                                        E voar

na tentativa                                                                           Esquecendo a língua dos homens

de usar                                                                                                                       Corrompida

a língua                                                                                      Que não queria ter aprendido.

dos tradutores

desconhecidos.

 

Não existe um sentido

nas palavras

existe um som inaudível

que vem de muito longe

antes do Tempo

mas sua alma

ferida

perdida

desacreditada

está no nada.                                                                                  Mais ou menos mergulhada.

 

As asas

projectam à terra

seca

palavras sem poder

palavras

de um tempo esquecido

de um tempo

onde dois                                                                                                                            E hoje

eram um.                                                                                                              Não é nenhum.

 

E, se as asas

no seu voo

incompreensível

ensombrarem                                                                                 

a terra

e os que nela estão?!                                                                                            Ensombraram.

 

 

Então                                                                                               

mergulhará também                                                                 

no rio                                                                                 

das suas próprias águas                                                                                         E mergulhou

sombrias                                                                                                                      sem querer

frias                                                                                                                               sem saber

distantes                                                                                                               nas águas frias

pela sua própria sombra                                                                                         deste mundo.

do eterno perdido                                                                                                  

e nunca esquecido                                                                                                  

por não mais acreditar

na Promessa

no Amor Maior

e na Verdade                                         

assumindo para Sempre      

a sua Culpa!   

 

 

 

                                                                      Entendeu

                                                                      por mágoa e desespero

                                                                    que se Um não é Dois

                                                                    e Dois não é Um

                                                                    nada tem razão de existir

                                                                    e mergulhou

                                                                    no rio-do-esquecimento

                                                                    porque sem um

                                                                   não existe o outro

                                                                  E o mundo perdeu

                                                                 A sua própria perda

                                                                 lá do fundo das águas frias

                                                                 olha o desenvolvimento repentino

                                                                 do adormecido

                                                                E sente Culpa!

                                                                        

(09.04.2007) (Diálogo com o meu amado eterno perdido e esquecido de mim. O único que perceberá a minha língua que nunca ensombrará os seus propósitos) Poderei enganar-me se um humano, falar para mim a minha própria língua? Como pode quem não é, ser?! Como ficarei se isso acontecer?!: - Como a ave, morrerei de dor e culpa. Esse engano não pode acontecer. Se acontecer, como o desfazer?! - Onde estás, TAUDUS?! Onde estás?! Não deixes que mortal algum use a tua língua sagrada. De contrário eu morro, na minha própria culpa e, sucumbirei no rio-do-esquecimento.

 

procura imortal terminada na Terra

 

 

(09.04.2007) Sinto dificuldade em saírem palavras de dentro de mim. Parece que tudo que escrevo leva outro sentido. Não "controlo" mais o meu Ente. Por enquanto não sei falar. As palavras minhas não corrompidas têm o poder de fazer e desfazer o que se calhar não tem que ser. Mas, não sei como parar esta dor. Esta mágoa, do engano perpétuo, que ainda não me convenceu de poder acontecer. O Universo não previu isso. Nos genes estava escrita a certeza. E, agora, estou doente, porque não entendo. Não me conformo com a possibilidade de um engano. Diz-me toda a partícula, que é assim. Continua a dizer-me. Todos os genes, continuam num reconhecimento dos sentidos. Mas, a realidade, diz que não. Estou confusa. Torturada com esta dor que para mim é a única razão porque existo, porque existi e porque existirei. Sempre. Se o Universo não me socorrer. Não sei. Mas, sucumbirei. Sei!

lágrimas no rio-do-esquecimento

 


EscritoPorLazulli lazulli às 00:04
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Domingo, 13 de Dezembro de 2015

O Regresso Dos Eloins

 

 

 

Após A Queda Da Raça-Humana ELES Também Não Governarão O Mundo.

A Terra Não É E Nunca Foi Deles

SintoMe: mui atenta

EscritoPorLazulli lazulli às 03:57
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Domingo, 29 de Janeiro de 2012

Reabertura Da CasaDeCristal

 

A Última Batalha

 

 

 

 

 

SintoMe: Apreensiva com o que está a acontecer no Planeta

EscritoPorLazulli lazulli às 22:51
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Segunda-feira, 22 de Março de 2010

O Terceiro Ramo


ReligionSymbolAbr.PNG

 

 

Da estranha e frondosa Árvore, dois ramos floriram e secaram restando o terceiro ramo o combatido e oculto pela pujança das flores dos dois anteriores, que tinha sido o primeiro local onde tudo começara.


No entanto, estes dois, secos, estéreis, por falta de credibilidade da alma, pela promiscuidade assumida e mal disfarçada, deixam à vista desarmada aquele que cresceu lenta e persistentemente nas areias do deserto, antes vistoso. Quase intocável. Afinal, a larva protegida, lembrando memórias antigas do local onde pousou, multiplica-se pelo mundo, mais do que os dois anteriores que tiveram o seu tempo, o seu momento e o seu reinado, sobre os homens da Terra. É esse que a Árvore Mãe utilizará para que as suas raízes permaneçam por mais mil anos. Nem mais Roma nem Judeia é o tempo de Romeia . (romã)


Quem se chegará à sombra desta ramagem que desponta no inverno do mundo?! Todos! De um e de outro modo, todos confluirão para o centro para serem aceites pelo deus único. E, serão! Pior de tudo será a possibilidade do 4º Poder. A unificação dos três num. Mas mil anos passará, antes de isso acontecer, se até lá nada se quiser fazer. Todos aqueles que antes se abrigavam crédulos sob a sombra dos dois ramos dominantes, hoje secos, a precisarem de ser substituídos, abrigar-se-ão, sem pejo algum, nas ramagens que aí estão. Venderam-se ou fraquejaram um dia... voltarão a fazê-lo e lutarão sem grilhões de espécie alguma aparentemente longe das religiões e das políticas que albergam os três, em um. Como actuará ou sob o que actuará o terceiro ramo?! Sobre o que de mais sórdido tem a alma humana; a ambição da diferença, o poder dos escolhidos! - Mas não se estendia já a frondosa árvore e os seus tentáculos, ao mundo inteiro?!  - Não, totalmente. Apesar da infinidade de folhas, de variadíssimos tons, da frondosa, espalhadas em todas as direcções da alma carente de verdade, ainda existem muitos puros que não sabem que são puros e estão ao serviço da Árvore que tudo comanda na lei e na ordem, da desordem da alma. Mas a Árvore, sabe. Conhece-os! E, há-de persegui-los para sempre! Até os ter em si! daí... Estava predestinado que assim seria, caso falhassem os dois ramos anteriores. E, falharam. Chegou a vez do terceiro ramo. E o primeiro transforma-se no terceiro. Falta cumprir-se o desejo da Terceira PedraNegra. A única que pode ser vista enquanto as outras Duas continuam ocultas. Portanto não expandiram ainda o poder que delas emana, por estarem ocultas ao olhar humano. Daí ... o Perigo de um futuro 4º Poder. ... e a humanidade nunca mais será livre ... se não entender. Se não destruir as pedras negras, guardadas zelosamente nos três locais da Terra, onde fiéis se arrastam em torno do mal que os aprisiona e os faz manterse eternamente na Terra. Longe, muito longe da Sua Origem Cósmica. A única que é pertença de si mesmo.


Tem a ver com gente?! De que lado se situarão?! - Não propriamente. - A meu ver deviam ficar unicamente do seu próprio lado. Ser únicos! Manter a Essência que lhes habita o Ente. E só por ela lutar. Unicamente. ... longe das pedras negras guardadas a sete chaves nos redutos mais visíveis do mundo.


Quem combaterá o último e terceiro ramo?! - Ninguém! Porque todos estão por e com o mesmo. A mesma lei interminável de intolerância. De ódio. Destruição. De subjugação humana, onde o poder continuará concentrado, nos mesmos. Com outras cores. Com outras bandeiras. Mas com os mesmos dizeres. Recuam no tempo e a lei ortodoxa  volta de novo, a primeira lei instituída à chegada, como se nada tivesse sido feito, o tempo todo. Como se todas as batalhas tivessem sido inúteis ... tudo planeado ao mais ínfimo pormenor, para que o controle nunca lhes seja retirado.
(O Universo chora a sua perda eterna. A sua essência estilhaçada por todo o lado. Por cima, por baixo. Aos lados do que existe e não se vê.)


Porquê?! - Porque são quase todos da mesma cepa. Ou pretendem pertencer à mesma cepa. Por isso tudo aconteceu, acontece e vai continuar a acontecer no mundo. E o mal perdurará para Sempre. Eternamente. (talvez um dia ... a essência e a matéria se defrontem e aí ... um dos lados vencerá a Grande Batalha Cósmica que teve início na Junção de ambos, separando desse modo ... as águas que tudo consomem.)


Os combatentes e os combatidos, são diferentes?! NÃO! São todos o mesmo! São feitos de "duas "Matérias" Diferentes. Se bem que sirvam, praticamente, unicamente uma delas.


Uns ainda, tentando levar a água, tanto ao Primeiro como ao Segundo ramo, consoante os seus insignificantes interesses de domínio, perante quem os fez nascer. De exposição. Mas render-se-ão. Para tomarem para si uma vivência fácil e duradoira, na submissão. (desse modo alcançam a reles eternidade)


Então, quem sobra, para impedir a Nova Catástrofe dos mil anos seguintes?! - Os puros. Os leigos. Os nada. Os pagãos verdadeiros! Aqueles que nunca se abrigaram de baixo de nenhum dos ramos da Árvore posta no meio do Paraíso. (que não se abrigaram de modo algum e mantiveram a alma intacta longe dos ramos principais e das folhas que estão sempre deles a cair e... se espalham em todas as direcções. Difícil resistir. Difícil não tropeçarem nelas devido à sua enormidade. Mas... o Ente reclama consecutivamente a Própria Origem e... por entre a Dor da Consciência... doridos... se vão desviando. E... alguns conseguem não serem cobertos pelas ramagens, pelos ramos, pelas folhas e .. até pela Poderosa Árvore que a Todos Comanda.


São muitos esses?!

 

 

- Não sei! - 

 

 

(quem tem entendimento que entenda o que diz a pequena pessoa)

SintoMe: esclarecida na Terra sobre o antes, o depois e o agora

EscritoPorLazulli lazulli às 10:09
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Terça-feira, 31 de Março de 2009

Humanidade Escravizada XV)

 

 

 

Ainda criança, alguém o alimenta, evitando o corre-corre ao alimento imprescindível. E isto se tiver a sorte que alguém o alimente, senão deambulará desde cedo pelas ruas das cidades do mundo, comendo os restos que vão sobrando pelo caminho de alguém mais abastado do que ele. E neste espaço de tempo que vai sendo alimentado, desde criança até à fase adulta, ele tem uma vantagem: é que o seu corpo não o vence, porque está por sua vez a vencer outros corpos (Pais), que não só cuidam de si como o poupam a tão duro sofrimento imediato. E assim caminha ele, inocente, cheio de ilusões de vivência que nunca se irão concretizar no que diz respeito aos seus pensamentos mais íntimos. Poderá, com muita sorte, ter um décimo daquilo que foi sentindo, deste período em que alguém o tentou proteger, escondendo o que lhe estava reservado no futuro. Mas, inevitavelmente, esse dia há-de chegar para este «protegido» da vida, porque os caminhos da sua sobrevivência já lhe estão a ser preparados de modo a que, quando chegar a sua vez (como acontece com qualquer espécie animal que habita a Terra), saiba como arranjar comida e outras coisas mais. Porque vão-se-lhe deparar inúmeras alternativas em todo este processo de crescimento que o impedirão de chegar ao entendimento de si mesmo. E a única coisa de que vai tendo consciência ao longo da vida é que para não sucumbir pelas ruas das cidades do Mundo precisa de trabalhar; e isto para que não lhe venha a acontecer o que já está a acontecer a muitos, que deambulam indiferentes à espera que algo aconteça, seja o que for, mas que não seja igual ao dia anterior.

Parece que o Mundo foi sempre assim... Imutável como a vida, que vai desgastando os seres sem lhes dar uma solução válida. É um ciclo que não acaba, desde há milénios que se repete, sem que ninguém pretenda acabar com este absurdo. Pelo contrário, eles alimentam os sonhos do Homem pequeno, com a tal malfadada Tradição, dizendo que a vida dura sempre e que ele, quando for grande, vai ser... Vai ser o quê? Mais um escravo humanizado, ou da humanidade, um escravo que viverá uma vida inteira a levantar-se de manhã para regressar à noite, cansado, sem tempo para si próprio e sem entender porquê. E, no dia seguinte, recomeçará de novo este ritual sem fim, esquecendo quem foi e sem saber quem é, apenas recordando o seu nome que mais parece uma marca, para que não esqueça de quem é. Um nome. Apenas um nome. Um nome que, logo que nasce, também em nome de uma comunidade organizada para o bem estar de todos (dizem eles) é-lhe posto, como uma marca, um rótulo que não passa de um controle de registo que vai direitinho para os arquivos da sociedade, e tudo quanto fizer e disser daí para a frente nunca será unicamente dele e sim de uma civilização que pretende o controle de todos os seres humanos que habitam sobre a face da Terra. Com este nome, "obrigam-no" a seguir de imediato qualquer política e religião de acordo com o País em que nasceu e, pelo menos, neste momento crucial da sua vida, não lhe fazem falta nenhuma. Marcado imediatamente à nascença como um qualquer animal irracional, não lhe é permitido, assim, agir livremente como seria de esperar de um legítimo filho de Deus. Controlado até ao mais ínfimo pormenor, para ele é como se a «morte» tivesse vindo no instante em que «nasceu». Mesmo assim, mantém dentro de si uma fé inabalável no futuro. A crença de que vai encontrar uma luz ao fundo do túnel.

Mas, infelizmente para ele, é uma luz que, se existe, não alcança ao longo de toda a sua vida porque a morte continua a ser o destino de toda esta Humanidade que, cansada, caminha para um fim certo, mas que continua a teimar em esconder de si própria este fim inevitável.

Os seus pobres pensamentos estão tão confusos, tão sem solução, que nunca a Humanidade se erguerá, infelizmente para todos nós. Além disso, o silêncio de Deus é tão grande que o Homem nem consegue acordar com tão pouco barulho. Clama no deserto, porque continua a insistir em acreditar a vida ter sido criada por um tal Deus para deleite de uma Humanidade cansada e torturada, onde até o direito de raciocinar lhe foi, é e será retirado numa convergência de interesses entre o Poder Estatal e o Poder Eclesiástico. Onde um toma conta do corpo do homem, com uma civilização política que nos arrasta para uma penosa sobrevivência, e o outro toma conta da alma, como detentor de verdades inacabadas que nos destroem a razão. Assim, continuam a manter de pé esta estranha civilização que nos destrói a existência e nos afasta da verdade. E é exactamente aqui que entram os tais que talvez saibam a dita verdade para nos impulsionar para a frente, com promessas que nunca se cumprirão. Nunca! Mas se a humanidade tivesse certeza disto, seria um caos, e é este caos que alguns tentam evitar, deixando a humanidade às cegas e incapaz de fazer o seu próprio destino. E assim... Nascem todos os dias religiosos sem sentido, para dar sentido à humanidade, mantendo uma esperança de futuro que nunca há-de chegar. Pensam e governam por todos, pois os seres humanos em geral são incapazes de se governarem a si próprios. Para quê, se têm quem os governe? E quem disse que alguém tem que ser governado por ele próprio ou por um outro? Ninguém disse, ninguém! Mas assim é mais fácil manter por muito mais tempo esta farsa interminável; e, enquanto durar, também vão durar todos aqueles que, mais rápido que os outros, apenas quiseram viver. E se viver é o que todos nós sabemos, esta luta consecutiva pela sobrevivência que nos angustia dia após dia ao longo de toda a vida, então eles fizeram-no bem, para que a sua própria escravidão fosse menor. Só não conseguiram vencer a morte, mas para lá caminham. Pelo menos buscam desesperadamente os conhecimentos antigos das sociedades «ocultas» ao nosso entendimento actual (que julgam existir, de um modo ou de outro), para que a imortalidade, como a entendem, lhes seja revelada. E vão tentar, se vão! Esperando talvez conseguir o conhecimento supremo, como forma de deterem o Poder Total, que lhes permitirá ser igual ou mais do que o seu próprio Deus imaginário.

Também é verdade que alguém poderia ter dito alguma coisa e, até, abrir uma centelha de luz num caminho desconhecido que os levaria ao tão desejado caminho. Mas conseguiram convencer os interessados na verdade que não é o que está para lá do caminho o que interessa e sim um meio de ser e pertencer ao Grande, ao ­Maior, ao Sublime. E já são tão Grandes nas suas actuações neste mundo, Maiores no Poder e Sublimes nas suas estúpidas decisões.

 

calma
ensaio, homem, livros, morte, vida
 
publicado por lazulli às 21:17
Sábado, 6 de Outubro de 2007
SintoMe: ... aterrorizada com o mundo

EscritoPorLazulli lazulli às 20:09
link do post | comentar | verComentários (4) | AdicionarAosIntemporais
Terça-feira, 9 de Dezembro de 2008

Humanidade Escravizada (X)


(continuação)

 
 Presos na Matéria
 
 


 

O Homem é prisioneiro de si mesmo porque lhe ocuparam o cérebro com uma data de coisas inúteis, impossibilitando-o de se sentir. Não haverá amanhã para todas estas almas penadas se não entenderem a tempo o que lhes aconteceu no passado, que passou à tanto tempo que os homens esqueceram já ter existido, ou pior, privilégio guardado por algumas castas, que querem continuar a comandar os seres viventes. E foram tantos os que tentaram na busca de verdades perdidas, naquele tempo ido... que a própria verdade deixou de ter significado e ficou para sempre oculta ao entendimento dos homens. Nesse tempo, que o próprio Tempo fez questão que deixasse de existir na memória dos homens, fossem eles ou não procuradores da verdade sobre a razão da sua existência, o mundo existia sem viver e sem grandes aspirações, a não ser a de deixar de fazer parte do Espaço/Tempo. Mas o corpo que cobria os homens começava por querer mais do que lhe estava destinado. E o pensamento envolvido e desenvolvido por aqueles que mais depressa foram ocupados pelos seus opositores espaciais, indicou o caminho que nos levou a poder existir para sempre, com a «descoberta» da criação dos corpos por intermédio de outros corpos. Pois para eles era muito mais importante existir do que não existir. Ter sempre a possibilidade de se tornar denso, mesmo que para isso se tivesse que condenar toda a humanidade existente assim como a não existente. A própria verdade era demasiado simples e implacável para que aceitassem a sua inferioridade perante os grandes construtores da própria vida. Assim, preferiram alterar o curso das coisas quando esta verdade lhes foi de um modo ou de outro revelada por todos os grandes iniciados (pensadores, sábios e filósofos), como Zoroastro, Manes, Nietzsche, Jesus, Platão, etc...., que só não encontraram nem deram a Verdade à Humanidade (embora já tivessem consciência da dualidade) porque a certeza comum a todos eles era que a vida era uma dádiva benéfica e a preservar. Não me parece que algum dia tenham posto em campos opostos a Matéria e a Essência, muito pelo contrário. Faziam-nas depender irremediavelmente uma da outra, como se sem uma não pudesse existir a outra. É verdade que a Matéria não ­adquiriria vida e teria que se sujeitar ao seu estado primeiro sem transformação ou evolução de espécie alguma, mas a Essência continuaria a existir sem ter que viver impregnada de uma coisa que lhe não pertence e que é sua inimiga muito antes de qualquer início de vida, como a conhecemos e entendemos. A união forçada, não voluntária, da Matéria e da Essência, obrigará o ente (partícula de essência cósmica) a tomar forma sempre que a vida se manifeste e o homem continuará a pensar que ele e o seu corpo são um só. Não conseguirá perceber que a matéria inteligente de que é constituído é completamente distinta do seu ser e tem necessidades muito diferentes das suas. Devido ao alto valor de preservação que todos dão à existência, a descoberta da Verdade tem estado e continuará a estar dificultada. Mesmo os pensadores não se distinguiram desta crença dogmática permitindo, a partir daí, toda uma série de filosofias dualistas que no fundo convergem e se completam umas às outras. Mas isto só aconteceu, porque se basearam sempre unicamente nos conhecimentos ao seu alcance. Aqueles que a vida na Terra lhes proporcionava. Faziam as suas próprias deduções e observações, com base na observação e dedução de outros anteriores a eles. O que estava dito e escrito, tomado como certo, era o seu ponto de partida. Não pondo em causa esses «ensinamentos», não usando a imaginação e não acreditando numa verdade completamente diferente da contada até ali, todas as suas tentativas de uma filosofia diferente, ainda hoje, não passam disso mesmo, meras suposições filosóficas. E, assim, a vida, não pode existir sem ser tal como a conhecemos, nem ter outro motivo para acontecer, para além daquele que nos têm dito. Que foi Deus que criou a Vida e criou-a porque lhe apeteceu. Sendo este, o ponto de partida de tudo quanto existe, percebe-se a dificuldade dos sábios, eruditos e ignorantes, durante muito tempo (e ainda hoje), terem dificuldade em acreditar em vida inteligente no Universo. Para eles só existirá vida inteligente no Universo, se essa mesma vida tiver a mesma forma e manifestação, que temos todos nós. Como se nós (terráqueos) fossemos inteligentes. E, assim sendo, todas as entidades oficiais, isoladas ou colectivamente, sempre souberam (e muito bem!) escamotear a verdade, de maneira a não permitir à grande maioria desta humanidade escravizada entender o porquê da sua existência.


(continua)

 

actualidade, ensaio, homem, livros, vida

publicado por lazulli às 15:46

Quinta-feira, 30 de Agosto de 2008

SintoMe: a lutar contra o Islamismo

EscritoPorLazulli lazulli às 23:14
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Domingo, 7 de Dezembro de 2008

Humanidade Escravizada (IX)

 

(continuação)

 

 

De qualquer modo, nem tão pouco é preciso basearmos-nos na Bíblia para confirmamos a não existência do Adão e da Eva, de onde dizem termos origem. Basta sabermos de onde veio cada um de nós, fazermos contas e utilizarmos as mais modernas tecnologias ao nosso dispor hoje em dia para confirmarmos estes dados. Se tiverem curiosidade de confirmar isto e consultarem a vossa árvore genealógica, verificarão esta realidade tão simples e deixarão de ter definitivamente dúvidas sobre se realmente esse tal Deus criador pôs mesmo um homem e uma mulher na Terra, para darem início a esta humanidade tão diferente entre si.

Segundo a Bíblia Sagrada, traduzida dos textos originais, com notas, dirigida pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma – Edições Paulistas, 1978, no Génesis, nessas mesmas notas, está mencionado que «A criação do céu e da terra (1,1-2,3), é como que o prólogo do grandioso drama, que se divide em duas partes, e tem por protagonistas os cinco grandes patriarcas : Adão e Noé, patriarcas do género humano; Abraão, Isaac e Jacó, patriarcas do povo hebreu. O todo é enquadrado pelo autor sagrado em dez tábuas genealógicas...» Dez tábuas genealógicas?! Não era só uma?! Mais ainda, qual a diferença entre género humano e povo hebreu? Então o género humano chegou primeiro que o povo hebreu? E em que altura chegaram estes últimos à Terra? Será que isto significa que há de facto diferença entre filhos de Deus e filhos do Homem, tal como é mencionado ao longo da Bíblia em várias ocasiões como, por exemplo, no Génesis (6,1-2) «Quando os homens começaram a multiplicar-se sobre a terra, e geraram filhas, viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas, e tomaram-nas como esposas a seu gosto.» Ou em Ezequiel (2,1) ­«Filho do homem, põe-te de pé, que vou falar-te». Se o próprio Deus, se dirige ao homem, por «filho do homem» e não por «meu filho», isto não pode ter nenhuma interpretação além daquela que está escrita. Que não somos todos filhos de Deus. Além disso, até no Novo Testamento, em (Mt. 15:13) é mencionado esta coisa espantosa: «Toda a planta que meu pai que está nos céus não tiver plantado será arrancada». Parece que muitos de nós não escaparão, façam o que fizerem. Pelos vistos o senhor não nos plantou a todos. Vai daí, quem teria «plantado» os outros?

Como vimos, a Bíblia faz várias referências a filhos de Deus e a filhos do Homem, o que significa que existem, pelo menos, duas espécies reconhecidas e devidamente diferenciadas por Deus ao longo de toda a Bíblia. Uma delas parece de facto, ter origem em Deus, mas a outra, provavelmente terá origem no próprio Homem que vem de Deus e/ou mesmo na própria Terra. Perante esta dura realidade, parece-me, que não tendo todos nós a mesma origem nem a mesma natureza, logicamente não temos também os mesmos direitos, a mesma razão de existir e a mesma finalidade. Daí, a pretensão dos cristãos de virem a ser filhos de Deus, através do baptismo, mesmo que este baptismo lhes dê unicamente o direito (segundo dizem) de ser filhos adoptivos deste ­«fantástico» Deus. O arrancador de plantas.

Mas neste momento não me interessa discutir a possível distinção entre filho do Homem e filho de Deus tão mencionada em toda a Bíblia, sejam eles criados, gerados ou engendrados; deixo isso para quem pretender saber mais sobre o assunto. Interessa-me sim mostrar, se possível, que não descendemos de um único casal e sim de vários, originários do nosso planeta ou de um outro qualquer.

 


(continua)

 

voando sobre o pântano
homem, literatura, livros, vida
publicado por lazulli às 15:30
Segunda-feira, 27 de Agosto de 2007
SintoMe: horrorizada com o mundo islâmico

EscritoPorLazulli lazulli às 01:10
link do post | comentar | verComentários (2) | AdicionarAosIntemporais
Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2008

Humanidade Escravizada (VIII)

 

(continuação)

 


Apesar de todos saberem qual o verdadeiro valor da vida, o que vão ganhando e perdendo com o decorrer dos anos e também o que lhes sobra no fim, criam seres indefesos e completamente ignorantes deste mundo para que possam reviver na continuidade, a vida que já foi vivida por outros, na esperança de se perpetuarem neles para sempre. Mas quando se está consciente da vida, do mundo e da civilização existente, só porque acreditamos em algo que nos incutiram ao longo dos tempos, não temos o direito de decidir o nascimento de um ser. É desumano fazer um outro vir viver a vida que ninguém quis ter. Sem opção, sem escolha, sem poder de decisão. Todas essas frágeis e inocentes criaturas nascem aqui, sem partilharem da decisão de existir, vivem sem optarem pela forma de vida que mais os favoreceria e morrem sem querer e completamente apavorados com o eterno desconhecido, na esperança de acordarem num mundo semelhante a este.

 

 

 

 

 

 

Filhos de Deus e Filhos do Homem

 


 

 

Será que o Homem nunca entendeu a sua angústia interior? Que a procura da felicidade é o querer ser ele, o se encontrar consigo próprio; e se continuar por este caminho não só não se encontra, como também se perde? Onde está o Homem Original? E este original não se confunde, por mais que a palavra seja igual, com os primitivos Adão e Eva, porque estes nunca existiram. E é fácil constatar esta certeza incerta. Basta que para isso se tenha uma noção aproximada do que é a árvore genealógica de uma pessoa. Tomando como exemplo um qualquer ser humano existente nos dias de hoje e indo recuando passo a passo até à sua origem, o que ao de leve nos parece que terminará num único casal – princípio primeiro desta pessoa – terminará infalivelmente numa infinidade de seres humanos. O seu número só nos é de todo impossível determinar devido à incrível escassez de meios escritos que nos permitam chegar ao fim deste princípio e aí ter a certeza absoluta que jamais qualquer um de nós poderia descender de um único homem e de uma única mulher, mas sim de milhares de homens e mulheres. Consoante recuamos, mais nos surpreendemos com a infinidade de seres que tiveram que existir para que um qualquer de nós possa existir hoje. Isto é, para que hoje possa existir um, tiveram que existir muitos para a sua formação. Bastaria que um único antepassado da cadeia biológica de uma pessoa não tivesse existido para que essa mesma pessoa não existisse. Na composição biológica de um único ser existe a composição de milhares de seres biológicos anteriores. E o aperfeiçoamento biológico de todos estes seres só terminará quando a cadeia humana que os liga entre si, isto é, a linhagem de que são portadores, for quebrada por algum motivo. Se numa única genealogia verificamos isto, que número incrível iríamos encontrar no final da linha se pudéssemos verificar todas as linhagens existentes de todos os seres humanos vivos hoje sobre a face do Planeta?

 

Se tivermos em linha de conta que cada ser tem sempre unicamente, um pai e uma mãe, quatro avós (2 maternos e 2 paternos); oito bisavós (quatro paternos e quatro maternos); 16 trisavós (oito maternos e oito paternos); 32 tetravós (dezasseis maternos e dezasseis paternos), etc., nunca será unicamente dois (Adão e Eva) para existir muitos e sim muitos para existir um.

 

Quer isto dizer que se, por exemplo, duas pessoas, uma Europeia e outra Asiática, começarem por fazer cada uma a sua árvore genealógica até aos seus dectavós (10º), dará por cada uma delas exactamente 1024 antepassados até este momento; mesmo que tenham a sorte de encontrar, entre estes seus antecessores, um que seja comum a ambas, continuarão a existir 1023 antepassados não comuns por cada uma. O que, mesmo assim, será difícil encontrar a partir do momento que estas duas pessoas são oriundas de continentes completamente diferentes, não sendo tão fácil quanto isso a ligação genética entre elas, devido não só às dificuldades existentes por causa do espaço geográfico de cada uma delas mas, também, por uma cultura completamente distinta entre si. Se convidarmos mais um habitante da África e um outro das Américas e se o referido dectavó fosse ainda o mesmo (fantástica coincidência), o número total de antepassados não comuns entre todos eles seria de 4092. E estou apenas a falar de 4 seres humanos.

Por isso mesmo, se continuarmos a partir do antes para o agora, evidentemente nunca chegaremos a conclusão alguma, pois estaremos a partir do falso para o verdadeiro. Daquilo que não temos a certeza de ter existido para aquilo que temos a certeza de existir. É como se o nosso raciocínio seja imediatamente bloqueado. Imaginamos duas pessoas e aumentamos o seu número a partir daí, e achamos isto perfeitamente lógico, mas se conseguirmos fazer o caminho inverso, pegando na nossa própria pessoa e formos andando para trás, abstendo-nos daquilo que nos incutiram como certo, perceberemos facilmente que não pode ser de modo algum aquilo que nos disseram ao longo dos séculos. Se por acaso as árvores genealógicas da humanidade – e não digo da árvore genealógica da humanidade, pela simples razão de que não pode ter existido uma única árvore comum a todos, quanto muito houve várias árvores genealógicas que a partir daí se foram interligando umas nas outras – pararem abruptamente em algum lado, parará sempre em muitos mais, mas muitos mais do que dois seres humanos. Até parece que alguém pretendeu com a «sua lógica» bloquear-nos o pensamento, impedindo-nos de raciocinar. Percorrer o caminho sobre a nossa origem na Terra, a partir de um princípio incerto para um fim certo e não o contrário, não nos esclarecerá nunca de onde viemos nós e obrigar-nos-á a meras suposições. Quantos filhos teriam tido de facto Adão e Eva? E netos? E bisnetos?... E se os tiveram, com quem casaram estes? Uns com os outros? Mesmo assim teriam que ser espantosamente férteis. Além disso, que espécie de seres biológicos seriam eles para nos seus genes transportarem mais do que uma raça distinta, que nos veio a dar origem? Com espantoso assombro verificaremos que quanto mais para trás andarmos mais aumenta o número de pessoas que tiveram que existir para nos dar origem. Daí que nunca um homem e uma mulher deram origem à humanidade e os supostos Adão e Eva em número teriam forçosamente que ser muitos mais. E, segundo o relato bíblico, foram-no de facto, porque quando se trata de dizer que toda a humanidade descende do Adão e da Eva esquecem-se, voluntária ou intencionalmente, que a Bíblia narra a descendência do género humano por duas vezes; uma antes de Noé e outra depois dele. Se até Noé, todos os outros descenderam de Adão e Eva não faço a mais pequena ideia, mas nós hoje descenderemos, quanto muito, de Noé e da sua prole, até porque para trás parece que o dilúvio os extinguiu a todos.

 


(continua)

 

sentindo-me

eu, homem, livros, pensamentos, vida

publicado por lazulli às 11:54

Quarta-feira, 22 de Agosto de 2007

SintoMe: triste com a humanidade

EscritoPorLazulli lazulli às 23:36
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Terça-feira, 25 de Novembro de 2008

Humanidade Escravizada (VI)

 

(continuação)

 

 

 

Por acaso, já repararam bem num velho no fim da sua vida? Ele falar-­vos­­-á da vida que viveu e não entendeu, só sabe que nela participou, mas não sabe bem porquê e para quê. E quando o seu pobre corpo, gasto, já não serve para mais nada, a única coisa de que tem consciência é que o atiram para um canto e ele passa a ser para todos um empecilho sem interesse. As suas rugas mostram-nos claramente uma incógnita: Porque veio, está e deixará em breve de estar, ele na Terra? Porque viveu ele?! Pobremente diz: Porque tinha que viver. Veio sem nada e parte sem nada, sem tão pouco ter chegado a ser de verdade ele mesmo. Mas a verdade, é que ao longo de toda a sua vida negou a si próprio o direito de querer saber de si, como se o que existisse dentro de si não tivesse valor algum, quando é ao que dá mais valor ao longo de toda a sua existência, alimentando o seu ego com inutilidades frustrantes que nunca o preenchem, dando-lhe a insatisfação característica dos mortais. Passa uns «miseráveis» anos à procura da felicidade sempre inalcançável . E isto, porque procura sempre para a alma o que é do corpo. Segue os mais variados caminhos da vida, numa busca desgastante, quando a verdade o habita bem dentro de si. Vai fora buscar o que já dentro de si mora muito antes do seu nascimento, acabando por se perder de tal modo que não mais se encontra, perturbado pela falta do que procura sem encontrar. Dá à vida a sua última esperança, dedicando-lhe tudo o que tem – que é ele próprio – e morre esgotado de si, por tanto dar e nada receber. Pratica os maiores crimes, primeiro contra si próprio e depois contra os outros, nesta dedicação cega à vida sem sentido e deleita-se na ilusão da existência, preferindo a ignorância arrogante de todos os néscios. Não quer saber porque já sabe tudo. Tem o que precisa e, muitas vezes, mais do que isso. Mas tem o que precisa sempre para satisfação do seu corpo, nunca para ele mesmo. Nasce sem nada e morre sem nada, mas apenas porque quer, porque dentro dele sempre habitou a verdade que ele preferiu ignorar a ter que descobrir.

 

 

 

(continua)

 

...
livros

 

publicado por lazulli às 12:10
Quinta-feira,19 de Julho de 2007
SintoMe: com "medo" do islão

EscritoPorLazulli lazulli às 01:14
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008

Humanidade Escravizada (II)

 

 

(continuação)

 

Ora, se recolhida a célula clonada de um determinado indivíduo, tendo em vista a criação de um outro indivíduo, tem que ser introduzida num outro indivíduo e este feminino, de modo a que a gestação do novo ser, até ao seu aparecimento, se possa finalmente concretizar. Perante isto, Deus não teve alternativa senão ter que recorrer a um corpo feminino já existente, para o aparecimento do seu amado Adão. A criação concretizada, só acontece depois de gerada, de contrário, no que diz respeito ao ser humano propriamente dito, nenhum ser existiria. Um corpo feminino terá que ter sido imprescindível em todo este processo, senão, não teríamos o aparecimento do Adão e da Eva. Como Paraíso quer dizer, em hebraico, segundo o mencionado em “Eram os Deuses Astronautas” por Erich von Daniken, pomar de fruta ou laboratório espacial, a possibilidade da raça humana ter sido clonada por este Deus Cientista, não é de todo de se desprezar. Penso que a conclusão de Erich von Daniken, se baseia na própria designação de Paraíso, onde um jardim fechado num recinto, é mencionado de vários modos:

 

Do antigo Persa, apiri-doeza ou poridoeza (pomar rodeado de um muro; recinto circular).

Hebraico: pordés (jardim)

 

Grego: poradeiros

Éden: jardim plantado no meio de um campo feliz.

 

Com tantas possíveis divagações sobre o aparecimento do Homem na Terra, tinham logo que optar por uma fantasia ridícula e insignificante digna de aceitação, só por parte de mentecaptos.

Desde que o Homem apareceu na Terra – e este aparecimento perde-se na noite dos milhões de anos passados – justificou-se sempre o seu início e o seu fim de todos os modos que a palavra escrita e falada nos possibilitou, sem tão pouco algum dia termos percebido como, porquê e para quê este seu «aparecimento». Talvez por isso, procuramos e não encontramos, porque nada há para ser encontrado. O princípio, que ninguém pode afirmar que tenha ou não tenha existido, e o fim, que aparentemente parece existir em tudo, não é certo para nada nem para ninguém.

Culpa de quem, este mistério da vida? Quem é ou quem são os responsáveis por todo este silêncio perpétuo, que tende a manter-se cada vez mais inacessível à grande maioria dos que ainda cá se encontram, dos que hão-de vir e dos que por cá já passaram sem resposta?

Só obtemos o resultado final de um problema se tivermos o enunciado desse mesmo problema e também o que se pretende saber. Na vida, não temos o enunciado nem tão pouco sabemos o que se pretende com a existência humana e, não só mas também, com a existência de todas as outras espécies. Daí que nos seja praticamente impossível saber o produto final. Isto é, se alguém pretender saber porque realmente existe, as parcas e insuficientes explicações que tem à luz dos conhecimentos actuais, façam eles parte do passado, do presente ou do futuro, são: nasceu da união sexual de dois corpos humanos a quem Deus, anteriormente, já tinha dado a vida, permitindo-lhes, assim, produzirem outros indivíduos semelhantes a si mesmos, de modo a manter e perpetuar a sua espécie. Como resultado do cruzamento destes dois elementos, obtém-se um terceiro elemento que é o produto da sua tão zelosa reprodução. E com este novo elemento, retirado dos dois anteriores, surge a família, a qual por sua vez, garantirá para sempre a continuidade da imortalidade com a criação de novas famílias que se perpetuarão até ao infinito. Neste processo de multiplicação infinita, assegurar-se-á a criação do homem pelo homem, onde a procriação fará jus ao lema:


«Prolificai e multiplicai-vos.»


Realmente, a espécie humana e todas as outras, existem graças ao processo da sua própria multiplicação. Mas, na sua essência, ninguém explica o porquê de assim ser, como tudo isto começou ou mesmo com que finalidade. Nem a teoria de Charles Darwin relativamente ao problema da origem e evolução das espécies – que demonstra que a vida surgiu gradualmente na Terra e que os seres vivos se desenvolveram de acordo com um processo evolutivo, das formas inferiores às superiores –, nem tão pouco pura e simplesmente acreditar que a vida é um bem precioso que tivemos a felicidade de obter de um ser bondoso, que ninguém conhece, conhecendo nós, apenas, os nossos progenitores/criadores, que são os nossos pais, que não só nos dão a vida como nos criam neste vale de lágrimas infinito onde vamos caminhando sem rumo e sem destino.

 


(continua)

 

...
livros
 
publicado por lazulli às 14:22
Terça-feira, 3 de Julho de 2007
SintoMe: impressionada com a inércia dos humanos e as suas alterações mentais egoístas

EscritoPorLazulli lazulli às 01:10
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Terça-feira, 18 de Novembro de 2008

Humanidade Escravizada (I)



 
 

 

 

PRIMEIRO CAPÍTULO

 

 
 
 
 
 
 
CRIAÇÃO: CIÊNCIA OU RELIGIÃO?
 
 
 
 
 
 
 
 
Todos os dias me pergunto qual a verdadeira razão da existência do Homem na Terra e por mais que raciocine, tentando arranjar uma explicação lógica para a existência da Humanidade, fico perdida dentro de um emaranhado de perguntas e respostas que tendem a ter cada vez menos sentido:
– Qual o verdadeiro sentido da vida?
– O verdadeiro sentido da vida é existir.
– Existir para quê?
– Para viver.
– Viver o quê?
– Viver a vida.
– E o que é a vida?
­ – É o tempo que tem qualquer ser vivo, desde que «nasce» até que ­«morre».
– Para que lhe serve esse tempo e essa vida?
– Para viver.
– Viver para quê?
– Para quê?... Para viver!
 
 
Há muitas maneiras de responder a todas estas perguntas, mas nenhuma resposta dá ao Homem uma certeza que lhe permita saber a verdadeira razão da sua existência, porque desde a mais remota antiguidade (como se fosse possível localizar a antiguidade, de tal modo ela se perde nas brumas de um tempo passado que o Homem esqueceu ou do qual nunca chegou (mesmo) a ter conhecimento), vários homens, preocupados em saber qual a Origem da Humanidade e o porquê da sua existência, dedicaram-se a incansáveis buscas para tentar responder ao porquê da vida, sem conseguirem mais que o esboço de uma leve explicação para a Origem do Homem, atribuindo-lhe um reino a que nunca ninguém teve acesso, baseando-se num Deus que também nunca ninguém viu. A história é simples, mas sem sentido. O mito do Adão e da Eva é tão pobre que as crianças, fantasiando, têm capacidade para imaginar uma história bem mais credível. Como pode Deus ter feito primeiramente um Homem e depois uma Mulher, se sem um não pode existir o outro? Pelo menos é o que nos dizem os conhecimentos, confirmadíssimos, que temos sobre a Criação. Não há homem sem mulher, nem mulher sem homem. Se pretendem continuar a manter o mito do Adão e da Eva, terão que o explicar de uma, das duas maneiras seguintes: Ou Deus é Hermafrodita ou Cientista. Se é hermafrodita (dois num), possui em si o poder de criar e gerar em simultâneo e aí, pode de facto ter criado o Homem. Que, vindo assim directamente de um Deus masculino/feminino, já pode ser concebido. Depois desta primeira criação, este Deus hermafrodita terá que criar uma outra oposta à primeira, isto se quer a proliferação desta nova espécie. Porque a criação deste Deus binário não é hermafrodita como ele. Se é Cientista, também pode criar um clone à sua imagem e semelhança. Mas, se assim for, segundo os conhecimentos que temos actualmente sobre o assunto, que diz que a clonagem consiste basicamente na reprodução assexuada de indivíduos geneticamente iguais, onde, depois de se ter removido o material genético de um óvulo não-fertilizado, este é substituído pelo DNA de uma célula do ser que se quer clonar. Sob condições apropriadas, o óvulo começa a dividir-se e a formar um embrião, que por sua vez é implantado num útero. Assim sendo, em todo este processo, tem que se recorrer ao elemento feminino por duas vezes. A primeira, no óvulo enucleado (célula reprodutiva feminina à qual lhe foi retirado o núcleo) por micro manipulação (aspiração, neste caso, dos cromossomas constituintes do DNA haplóide da célula germinal feminina, com uma pipeta especial) de modo a proceder à implantação de uma célula, que contém a informação genética, do indivíduo que se quer clonar ou duplicar. A segunda, é depois de se ter provocado por estímulos químicos e eléctricos apropriados, a divisão do ovócito , este é transferido para um útero.
(continua)

 

sem perdão
livros
 

 

publicado por lazulli às 14:11
Segunda-feira, 2 de Julho de 2007
 
nota - só se manterá esta imagem no Humanidade Escravizada, por ser muito semelhante à tela que tenho para a capa, feita pelo Pintor Sr. Luís Cardoso, ao qual agradeço a gentileza e a boa vontade. Mas, preciso de a digitalizar,  primeiro. Se um dia, por mero acaso, venha a ter conhecimento que aqui estou a expôr o livro, quero reafirmar, que a capa será a que o senhor, me fez. Obrigada Sr. Luís Cardoso.
Finalmente - encontrei a pintura feita exclusivamente para a capa de Humanidade Escravizada. Volto a agradecer ao Pintor Sr. Luís Cardoso a sua enorme gentileza. Um muito obrigada. Não me esqueci. Desejo-lhe e a toda a sua família, felicidades, esperando que tudo esteja bem com vocês todos. M.L. (foto de Arquivo Pessoal)
SintoMe: "caminhandosobrepregos"

EscritoPorLazulli lazulli às 09:52
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Terça-feira, 4 de Novembro de 2008

Mary Paz - Primeiro Capítulo (2)

 


(continuação)
 
O Sol brilha no firmamento, atirando sobre a terra seu calor reconfortante, como se pretendesse despertar todas as formas de vida existentes naquele local. Não sabendo quanto tempo tinha permanecido ali, deitada, de novo sentiu a angústia e a desolação de se encontrar ainda viva e na Terra. Embora que numa Nova Terra, surgida do nada, que lhe era completamente estranha e totalmente desconhecida. Olhando queda, para o céu azul turquesa , passou-lhe de relance pela ideia que talvez se encontrasse do outro lado da Terra. A dualidade desconhecida de uma Terra já destruída, que preserva em si este paraíso perdido ou esquecido. A incompreensão tomou-a de novo, mas seu corpo (mais parecendo um cadáver vivente), despertou-lhe a necessidade de sobrevivência. Ah! que sobressalto se apossa de seu corpo tão carenciado de alimento. A fome, que a tornava cada vez mais fraca para perceber o que na realidade a rodeava (tal como o viajante no deserto junto ao Oásis, onde a febre provocada pela sua sede, o impede de beber na imagem de sua própria ilusão) provocando-lhe uma angústia permanente, quase a levando à loucura ou a uma morte certa. Por várias vezes, tentou manter seu corpo de pé mas, sua fragilidade física e psíquica, atiravam de novo seu corpo para o solo. Esgotada e meio inconsciente, rastejou pela poeira do chão, num dos longos carreiros distribuídos por todo o “jardim”, como um verme moribundo, mordendo o pó da terra de onde tinha surgido, como se sua ossada quisesse penetrar no solo de onde havia nascido, e se pudesse desfazer por entre cada partícula de pó e infiltrar de uma só vez por entre a névoa que se ia elevando no ar em torno de seu corpo semimorto. O barulho do riacho aproximava-se lentamente, quase que inaudível a seus ouvidos, já tão pouco capazes de captar ruídos exteriores, provavelmente provocado, pelo deflagrar do cataclismo a que assistira e vivera, ou mesmo pelo silêncio tumular que adveio após. Na Terra de ninguém ou na Terra das radiações, actualmente donas e senhoras da Velha-Terra , onde predomina a insanidade mental dos outrora donos do Planeta, acaba de ser instaurada uma nova lei de vida, em que a própria Natureza está a ser dominada a bel-prazer pelos seus actuais habitantes, restos humanos da queda do Mundo, meio Homens meio mutantes, dando assim novas formas de vida à Natureza. Ao ficar sem reservas naturais para a sobrevivência material e psíquica do Homem, devido aos átomos radioactivos que permaneceram na atmosfera e na água, e que durante muitos e muitos anos, emitirão nocivas radiações a todos os organismos vivos e provocarão alterações cromossomas neles e nas futuras gerações, a Terra “permitiu” que o Homem alterasse o curso normal da sua evolução, tornando o Planeta num caos de vida evolutiva e levando-o a colocar-se no fim da escala da espécie animal, ao procurar na maioria das vezes alimento para a sua sobrevivência entre os seus semelhantes acabando por se alimentar da carne da sua própria carne.

(continua)
hoje está lua cheia
livros
publicado por lazulli às 00:20
SintoMe: em luta com o Islão

EscritoPorLazulli lazulli às 10:40
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Segunda-feira, 3 de Novembro de 2008

Mary Paz - Primeiro Capítulo (1)

(fotodanet)

 

 

 

Primeiro Capítulo





Ao despertar de um longo e profundo sono que mais parecia ter sido o despertar de uma incontestável eternidade, Mary, depara com o “Paraíso” mesmo diante de si.
Se o tão falado jardim do Éden, realmente existiu – ao invés de ter sido uma “história” inventada pelo Homem, devido à necessidade que sempre teve de justificar o seu aparecimento na Terra, dando assim uma razão para a sua existência –, esse Paraíso Perdido, só podia ser este que se encontrava perante si neste preciso momento. Nunca seus olhos, por breves instantes que fosse, tinham tido possibilidade algum dia, de ver e apreciar beleza semelhante. Longos e estreitos carreiros, envoltos num emaranhado de grandes árvores floridas, que pendiam graciosamente até ao chão, iam-se distendendo por entre uma imensa folhagem de ramos de onde pendiam frutos de todas as cores num interminável jardim de sonho. Os estreitos carreiros, imersos numa penumbra luminosa, exalavam uma fragrância multifacetada que provinha da multitude de lírios vermelhos, magníficas flores brancas prateadas, orquídeas, anémonas, flores azul-celeste, amarelas, vermelhas, púrpura e sumptuosas flores flamejantes, alaranjadas, incrustadas irremediavelmente nos troncos de enormes árvores azuis, que pareciam depositadas, não plantadas, sobre o chão atapetado de pétalas soltas. Juncado por um tapete multicolorido, o chão, que vistosas borboletas, sobrevoavam num constante e gracioso bailado treme luzente, pareciam manter a esperança em cada partícula de vida existente, no local que a rodeava.
Na semi-inconsciência em que se encontrava, os cinco sentidos que supostamente ainda possuía, tinham deixado de exercer correctamente qualquer uma das suas funções, impedindo-a de interpretar as suas reais necessidades de compreensão e entendimento, tanto com o mundo exterior que a cercava como com aquele que a habitava interiormente. Enquanto permanecia inerte, deitada sobre si própria, com o corpo a doer-lhe, como se estivesse a desfazer-se aos poucos, só seus olhos se moviam nesta quietude de morta viva, andado de lá para cá e de cá para lá, meio aturdidos com o fantástico sítio onde tinha ido parar. Neste vaivém de imagens insólitas, com as dores a persistirem em tirar-lhe a pouca razão que lhe sobrava, sua mente, fervilhava num emaranhado de lembranças e tradições, que lhe tinham sido incutidas, numa aprendizagem insuficiente, durante a sua vivência na Velha Terra (Mundo acabado de ser destruído, pela própria Humanidade que o ergueu).
- Não! Não é possível! Não posso continuar viva neste inferno!
- Não... Isto não é o inferno em que tenho vivido. Nem tão pouco um outro mundo qualquer que tenha conhecido alguma vez. Então, que local é este, que minha memória não tem qualquer registo a não ser o da sua semelhança com a própria Terra, não no presente mas no passado?! Mas, se isto não é nem pode ser a Terra, onde estou eu?! Se realmente cheguei a morrer na minha caminhada sem fim, pelo árido caminho da vasta planície de terra queimada, envolto num denso e pesado nevoeiro; a que tipo de mundo vim parar? Lugar este, que em tanto se assemelha à Terra em que vivi e que tão pouco tempo tinha para poder desfrutar devido ao stress provocado por uma sociedade de consumo que originava em cada ser, uma vivência acelerada, numa luta consecutiva, na tentativa de uma melhor existência ou mesmo, na maioria das vezes, apenas a necessidade de sobrevivência.
- Mas como?! Perdi a capacidade de pensar. Não sei quem ou o que sou. Também não sei onde estou.
Aturdida, tentou levantar-se do solo, mas não era capaz. As forças tinham desaparecido do seu corpo, que ia de quando em vez tacteando com as mãos para ter a certeza se ainda existia. Mas, nem precisava, as dores, persistentes, continuavam a mostrar-lhe que de algum modo estava viva. À sua volta o silêncio era quebrado suavemente pela constante simbiose entre os elementos naturais e a vida propriamente dita. Árvores de especiarias várias, flores sarapintadas de várias cores, belíssimas palmeiras, árvores de toda a espécie de polidos e lisos troncos cobertas de belíssimas flores aromáticas, sebes e flores, passeavam pela relva esverdeada salpicada de flores escarlates e pequeninos botões de um fruto vermelho, que nem conhecia. A paisagem que a cercava era composta de uma infindável flora colorida. Até onde a sua vista alcançava, o “jardim” com altos e baixos, que deixavam água prateada percorrê-lo por cantos e recantos de pedras de todas as cores em suaves cascatas, entre os pequenos arvoredos e árvores de cores infindáveis, onde o azul e dourado eram predominantes, num constante movimento de vida.
A Terra é estranha, com sua vida natural e sadia. O que é isto que vejo? A mais linda Terra existente, numa Terra queimada e moribunda, onde só os pequenos vermes podem continuar vivos.
Ainda confusa com a descoberta deste mundo desconhecido, enquanto seus olhos vagueavam em redor de si mesma, vivia dentro de si própria, pensamentos e sentimentos que julga terem existido.
Nos recantos de uma coisa que talvez tivesse por nome memória, a imagem do formato e do conteúdo de um livro, no qual constava não somente a esperança da Humanidade numa nova vida, onde o nascimento, crescimento, envelhecimento e morte, um dia não existiriam, e sim, o bem estar e a felicidade eterna, numa nova Terra, feita para o efeito, pelo Criador-Deus, contendo também, a maior expiação do Homem pela vida que viveu, sem contudo lhe ter sido dado o direito de escolher como viver essa vida imposta, e mesmo se queria nascer na Terra para a viver, torturava-lhe o espírito.

O eco do passado, provavelmente longínquo, repetia-se dentro de si, de encontro a si mesma, machucando-a cada instante mais e mais, como num alerta ao seu tão já parco conhecimento sobre tudo, tornando-se lentamente num riso sarcástico que a atormentava. A promessa de um Paraíso terreno ou não, bem que podia ser este em que se encontrava acidentalmente, pois que este, retratava o pensamento e a palavra de Deus escrita pelos Homens. Onde Ele, Criador de toda a Humanidade, prometia um mundo melhor, como recompensa do sofrimento que estes haviam tido durante a sua existência na Terra, provando assim o amor que tinha para com aqueles que havia Criado, dando-lhes até livre arbítrio para a escolha de uma vivência que por “acaso” nem tiveram oportunidade de escolher. Não era este pois como o Paraíso prometido? O lugar onde o Sol beija a terra, e as plantas crescem em paz, num imutável convite à serenidade perpétua e bem estar? Lugar de recompensa dado ao Homem pelo sofrimento e sujeição provocado pela sua existência na Terra? Não era este o lugar ambicionado por todos aqueles que viveram na esperança de uma recompensa para o sofrimento que “viver” provoca, ou na sombra de um Deus Omnipotente e Omnisciente, capaz de dar a felicidade ou mesmo perdoar os revezes muitas vezes feitos em “Seu” nome, contra a Verdade e a Justiça?
Depois de uma demorada reflexão, ao pensamento do Homem no passado, Mary, retorna à inacreditável realidade que a cerca. Desalentada, deixa cair de novo seu rosto na terra seca, incapaz de caminhar para o riacho a dois passos de si e ali fica, até que a noite azul cai e desce sobre seu corpo, um manto fresco e acolhedor.

SintoMe: apreensiva com o caos que se instala no mundo

EscritoPorLazulli lazulli às 09:54
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Terça-feira, 28 de Outubro de 2008

Prisioneira Do Tempo




Foi Prisioneira do Tempo que te conheci

E o mesmo Tempo, continua a aprisionar-me e a confundir-me

Ao relembrar-me de ti...

Em conflito, com a tua e minha existência

A medo... relembro-te e esqueço-te

Mas o meu pensamento persiste inseguro, incerto e temeroso

Mas preciso de um amigo

E esse amigo és tu

Só podes ser tu

“A Grandiosidade da Divindade” continua a existir

Ajuda-me a sair deste emaranhado em que me encontro

Ajuda-me a libertar-me desta loucura

Ou então atenua a minha existência, num mundo que não é meu

Sê o meu confidente

Não me deixes sozinha aqui

Preciso de ti.


penso: "VestígiosLongínquos" - do livro de poesia

publicado por lazulli às 10:47

SintoMe: ... olhar o mundo apreensiva
Palavras: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

EscritoPorLazulli lazulli às 00:43
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais

UmaEstranhaNumaTerraEstranha


lazulli

sempretriste

. 6 seguidores

VerNaCasaDeCristal

 

Intemporais

... cega ...

Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SonsDaMinhaAlma

SonsDaMinhaAlma

Setembro 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Junho 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Janeiro 2012

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

EscritosRecentes

...

No Rio Do Esquecimento

O Regresso Dos Eloins

Reabertura Da CasaDeCrist...

O Terceiro Ramo

Humanidade Escravizada XV...

Humanidade Escravizada (X...

Humanidade Escravizada (I...

Humanidade Escravizada (V...

Humanidade Escravizada (V...

Humanidade Escravizada (I...

Humanidade Escravizada (I...

Mary Paz - Primeiro Capít...

Mary Paz - Primeiro Capít...

Prisioneira Do Tempo

LeioEstes

AsMinhasFotos/Imagens

DireitosDeAutor

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. OsEscritosDesteBlogEstãoRegistadosNoIGAC Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. DireitosDeAutor É expressamente interdita a reprodução parcial ou integral de todos os escritos deste blog por qualquer processo, incluindo a fotocópia e a tradução e transmissão em formato digital. Exceptua-se a reprodução de pequenos excertos para efeitos de recensão crítica ou devidamente autorizada por escrito pela AUTORA do Blog CasaDeCristal, lazulli. Peço desculpa aos que me lêem por ter que ser assim e obrigada. lazulli - (inp) M.D.L.M.D.F.D.C.B.

NoPlaneta

Flag Counter 34 561

ÚltimasMemórias

Bem Vindo à CasaDeCristal, paulo joséConsegues exp...
paulo jose juliopra ke brincar com santo nome de d...
Vasconcelos.... como esqueceria eu, o seu blog, on...
Saúdo o seu regresso com saudade. Desejo-lhe os ma...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...

subscrever feeds

TraduzirOBlog

Google-Translate-Chinese (Simplified) BETA Google-Translate-English to French Google-Translate-English to German Google-Translate-English to Italian Google-Translate-English to Japanese BETA Google-Translate-English to Korean BETA Google-Translate-English to Russian BETA Google-Translate-English to Spanish
Google Translation

OsQuatroElementos


glitter-graphics.com PorqueAVerdadeNãoSurge AHumanidadeChoraPeloSangueDerradoDosInocentes