CasaDeCristal, lazulli, eu, mary paz, humanidade escravizada, a grande mãe, 2006, 1990, poesia. livros
Sábado, 31 de Janeiro de 2009

por infinito amor à palavra ...


 

quando a palavra

de qualquer modo pronunciada

não é honrada

é esquecida, desprezada e ignorada

por quem  dela faz mera utilização

de seus tortuosos desejos

 


não é digno do olhar dos deuses

nem do seu amor

sobre "ele"

este mero e indigno

utilizador da palavra dada

 


de nenhuma lealdade é merecedor

este traidor.

 


EscritoPorLazulli lazulli às 18:53
| comentar | verComentários (2)

Humanidade Escravizada (XIV)

 
 

 

(continuação)

 

 

 

 

 

Para nós terráqueos, filhos da Terra também ela submetida pelo homem que veio do céu, é melhor de uma vez por todas, sabermos quem de facto somos, do que pensarmos a vida toda que somos quem na realidade não somos. Não creio que a verdade sobre nós próprios, nos retire o poder de ser verdadeiros seres humanos, aquilo que já fomos no passado longínquo. Com a plena consciência e aceitação da nossa verdadeira natureza humana, teríamos a capacidade incrível de transformar este mundo num lugar digno de se viver, mostrando ao homem criado por Deus que os “animais” não só têm capacidade de se governarem a si próprios como também humanidade, coisa que lhes falta em doses demasiado elevadas, a eles, seres superiores em tudo. Depende de todos nós não continuarmos a permitir todo este mal entendido, de contrário, todas as explicações existentes – mórbidas e infantis –, continuarão a proliferar atravessando todos os séculos e todas as gentes e, os nossos pobres descendentes continuarão a ser escravos destes divinos mal amanhados. Devemos à humanidade futura uma oportunidade de libertação para que possa, verdadeiramente, ser feliz. Com determinação, exijamos a verdade. A nossa verdade. Continuando a ter medo do seu poder, que em nada nos tem ajudado a ser felizes, muito pelo contrário, não honramos a antiguidade. Não honramos os nossos valentes antepassados quando os combateram, aquando nos invadiram. Todo o sangue derramado desse tempo longínquo de nada serviu, porque hoje aceitamos este Deus e a sua corja, como se fosse nosso. E ainda lhe agradecemos por tão má existência. Depois de tanto tempo, com provas reais de toda a sua desumanidade, ainda se ouve no fim deste século, também marcado pela ignorância civilizacional, o grande e o pequeno, o rico e o pobre, o culto e o inculto dizer: «Meu Deus». Meu Deus! digo eu, quando os vejo criando fábulas imensas que têm o impressionante Poder do Verbo de que todos falam e ninguém entende. Capaz de fazer acreditar o mais prevenido dos homens. O assombro que sinto por tanta ignorância, que vai dos níveis mais instruídos aos mais baixos de formação, espantam-me! Todos carecem da vontade de querer saber a verdade de si próprios, como se esta não lhes fosse necessária. Assusta-me tanta ignorância e mais os assustará a eles, um dia, quando souberem a verdade sobre si próprios. E, como será evidente, sempre que tiverem contacto com a verdade, morrerão de novo e não sairão do ciclo eterno da existência, rodando nesta roda do destino Criado, este sim, por alguém, sem terem hipótese alguma de se libertarem e de se encontrarem. E, quando chegar o momento do confronto inevitável com a verdade, provavelmente muitos estarão já definitivamente perdidos ou mesmo não mais farão parte de algo... De qualquer modo, continuam a existir os que mantêm dentro de si a centelha da essência da vida e não sei como farão para entenderem a verdade de si mesmos. Enfurece-me que tenha sido e continue a ser assim, porque vejo a Humanidade, excepto no que diz respeito à matéria que os cobre (onde estão mais aptos a respostas concretas e que nem por isso são as mais profundas), a nascer e a morrer todos os dias, sem entender o seu nascimento e a sua morte e sem saber mais do que o seu nome, sobre si próprios, preferindo, assim, aceitar as mais variadas teorias que existem sobre a existência do Homem, todas elas unânimes no que refere ao valor sagrado da vida como sendo o maior bem da Humanidade. E, assim sendo, há que preserva-la a qualquer preço: e como cordeiros, todos em conjunto, dão razão a esta existência sem sentido, que alguém está interessado em perpetuar, sabe-se lá porque razão.

 

(continua)

 


actualidade, ensaio, homem, livros, vida

publicado por lazulli às 15:27 - 2007

SintoMe: ... preocupada com a falta de verdade da raça-humana

EscritoPorLazulli lazulli às 16:12
| comentar
Domingo, 25 de Janeiro de 2009

brumas

 

 

 

... entreumeoutromundo

 

 

 

 

... o silêncio de quem espera

 

 

 

 

 

... por

 


 

 

 

 

 

... nada

 

 

 

... nas brumas

 

 

 

 

 

 

DoTempo.


EscritoPorLazulli lazulli às 20:00
| comentar
Quinta-feira, 15 de Janeiro de 2009

Vim aqui por ti

 

 

 

Chamar-te

Guardar-te

Amar-te.

Dizer-te

A verdade sobre ti

Mas perdi

Cheguei tarde

Todos os dias

Os deuses

Choram a tua perda

Reclamam

O teu Ser perdido

Atormentam-me

Com o meu fracasso

Diz-me quem foi que te roubou

Quem te matou

O Ser

Diz-me porquê.

 

(Agosto de 1992)

 

 

igual a sempre

poema, poemas, poesia

publicado por lazulli às 10:35

em 2007


EscritoPorLazulli lazulli às 10:16
| comentar | verComentários (3)
Sábado, 10 de Janeiro de 2009

Humanidade Escravizada (XIII)


 

(continuação)

 


Se os semelhantes ao Homem, em vez de quererem ser seus iguais, até porque nunca o serão, pensassem, talvez pelo menos as milhões de espécies que existem, pudessem vir a ser tratadas com mais humanidade em vez de termos que continuar a assistir a torturas constantes de seres indefesos para deleite e consumo dos homens. Tanto os semelhantes ao homem como os que deles descendem, deveriam aprender a ler e a perceber que afinal não são para Deus tão importantes quanto pensam. Quem sabe, assim, a sua existência possa vir a ser melhorada, em vez de serem escravos eternos de um poder maior e venham até a ser temidos e respeitados por estes poderosos intrusos, conquistando pelo verdadeiro saber e consciência a igualdade com estes senhores do céu, em vez de aceitarem a escravatura eterna que eles nos impuseram. Talvez lhes pudessem vir a ensinar: Verdade, Justiça, Amor e Liberdade. Porque desde o início da sua intrusão na Terra, não respeitando a nossa inferioridade, ensinaram-nos exactamente o oposto, transformando-nos naquilo que sempre desejaram para nós: Bestialidade. Não somos bestas. Somos seres humanos. De 2ª e 3ª categoria é certo. Mas seres humanos. Embora, neste ano que decorre de 2003, a actual prática de vida, de todos nós, nos diga que «eles» atingiram os seus objectivos de nos bestializarem. Crimes consecutivos que são praticados diariamente sobre tudo e todos. A insanidade e indiferença que nos caracteriza neste momento, dá-lhes razão. Só nos preocupamos com nós mesmos, e mal. Não lutamos pela verdade ou justiça e sim permitimos tudo quanto eles fazem, e ainda os ajudamos a crucificarmos-nos a todos. Será que eles conseguiram bestializar-nos? Será que dentro de nós não resta nada de humano? O medo da má sobrevivência nesta vida sem sentido, leva-nos a uma agressividade tal que daqui a pouco nem nos reconhecemos. É preciso, todos em conjunto, despertar e começar a recuperar a nossa humanidade, que não sendo divina, é melhor que a deles. Em vez de querer ser filhos de Deus, seria bem melhor para nós aceitarmos a nossa condição de meros humanos e mostrar-lhes que não só não precisamos deles para nada, como também não os queremos mais a interferir na nossa vida, que viveremos segundo a nossa própria natureza e condição.

 

(continua)

 

leve

ensaio, homem, livros. mulher, vida

publicado por lazulli às 10:21

Terça-feira, 18 de Setembro de 2007

SintoMe: ... olhando o mundo apreensiva

EscritoPorLazulli lazulli às 09:56
| comentar | verComentários (4)

UmaEstranhaNumaTerraEstranha

VerNaCasaDeCristal

 

ImutáveisSãoAsPalavras

Janeiro 2018

Setembro 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Junho 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Janeiro 2012

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Intemporal

... cega ...

AsMinhasFotos/Imagens

DireitosDeAutor

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. OsEscritosDesteBlogEstãoRegistadosNoIGAC Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. DireitosDeAutor É expressamente interdita a reprodução parcial ou integral de todos os escritos deste blog por qualquer processo, incluindo a fotocópia e a tradução e transmissão em formato digital. Exceptua-se a reprodução de pequenos excertos para efeitos de recensão crítica ou devidamente autorizada por escrito pela AUTORA do Blog CasaDeCristal, lazulli. Peço desculpa aos que me lêem por ter que ser assim e obrigada. lazulli - (inp) M.D.L.M.D.F.D.C.B.

TraduzirOBlog

Google-Translate-Chinese (Simplified) BETA Google-Translate-English to French Google-Translate-English to German Google-Translate-English to Italian Google-Translate-English to Japanese BETA Google-Translate-English to Korean BETA Google-Translate-English to Russian BETA Google-Translate-English to Spanish
Google Translation

NoPlaneta

PalavrasMinhas

SonsDaMinhaAlma

OsQuatroElementos


glitter-graphics.com

ARaçaHumanaÉAssim