Sexta-feira, 31 de Outubro de 2008

maria

 



Maria, teu nome ecoa pelos confins do Universo inexplorado

Gritando ainda o teu direito à vida que roubaram.

O fogo queimava teu corpo, teu ventre.

Quisera eu voltar para ti de novo...

Quem acreditaria que em tempos estive contigo,

No teu mundo tão guardado do existente e inexplorado?

Saí contigo no paraíso

Junto com os homens do castigo.

O tempo não existe

Nem tão pouco o espaço.

Ainda não existe a razão.

Ainda não existe nada! Existes tu. Só tu,

Massa de fogo incandescente, brotando energia viva, luz.

Gritos de angústia se movem ao teu encontro,

reclamando o teu espírito

tão sedento de lava.

O Universo inteiro procura-te, insatisfeito

Com a sua amargura,

com a sua solidão.

Acorda...

 

 

sorrio...

publicado por lazulli às 16:56

Segunda-feira, 7 de Maio de 2007



SintoMe: ... apreensiva com o retorno das trevas

EscritoPorLazulli lazulli às 16:28
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008

A Grande Mãe (II)


 

Talvez porque fosse muito velhinha e seus cabelinhos brancos fossem tão brancos que reflectiam luz junto ao fogo da tenda principal onde também nos dias em que o tempo mostrava a sua força e rugia ameaçadoramente, cá fora, se sentavam em torno do fogo que se encontrava no centro da tenda. Num desses dias, onde a água lá fora caía do céu aos trambolhões e todas as mulheres mais velhas se encolhiam umas nas outras assustadas e as mais novas afagavam as mais pequenas e as mulheres activas, as guerreiras das tribos, as únicas a quem era permitido cavalgar para onde bem entendessem, continuavam sob o assustador rugido do ar que se deslocava furiosamente de um lado para o outro, a guardar odo o clã, deduzia que como a tribo era muito grande elas estivessem por todo o lado. Eram tão silenciosas, que apareciam e desapareciam de repente, de qualquer lugar. Sua primeira mãe, era uma destas jovens guerreiras, que pouco tempo tinha para ela e por isso mesmo as tarefas eram distribuídas de tal modo que nunca nenhuma das mais pequenas ficava só e a ternura com que as outras tomavam conta não lhes permitia sentir falta das primeiras mães.

Mas Leda não era como as outras. Queria ter uma só mãe e só para si. Por isso, vagueava muitas vezes sozinha, quando o sol no alto do céu era quente e luminoso, por todos os lugares que lhe era permitido e também por aqueles onde estava expressamente proibida de ir. Nunca prestava muita atenção aos marcos que as guerreiras puseram em torno do grande clã e muitas das vezes era recambiada e repreendida quando uma destas guerreias a interceptava, fora dos domínios das mulheres. Cabisbaixa, lá era obrigada a tomar o caminho de regresso. Por isso, nunca tinha ido tão longe como desejaria. Nunca conseguiu passar dos domínios da sua tribo e queria muito saber o que haveria para além deles. Devia haver mais mulheres, animais e até homens, porque estes também deviam viver em algum lado. Para Leda, deviam viver num local muito sujo. Talvez num pântano... pois, estavam sempre cobertos de lama. A terra seca cobria-os quase por completo. Na terra deles não deveriam ter água como a delas pois, logo que entravam na tribo, eram obrigados a banhar-se no lago cristalino dos domínios e sempre guardados pelas guerreias de várias idades que circulavam sempre a cavalo em torno de si, não lhes permitindo andar mais ou menos, do que elas mesmo queriam.

No meio de todas as dúvidas, a primeira avó, vendo Leda muito infeliz porque ninguém lhe queria responder como era o mundo para além dos domínios disse-lhe:

- Minha pequena Leda, o tempo já quase chega até a ti e aí saberás tudo quanto é preciso saber.

- Mas vó, porque não posso saber hoje?

- Porque, Leda, és ainda muito pequena, para teres sobre ti as preocupações que todas partilhamos hoje. Tentamos proteger-te e às tuas irmãs, de um conhecimento antecipado.

- Mas eu já sou grande! Já cavalgo sem cair e domino a minha montada.

- Mas ainda é cedo. Não proteges também tu, os mais pequenos que tu, nas tuas tarefas obrigatórias em prol da tribo? Nós fazemos o mesmo, umas com as outras. A cada idade, uma responsabilidade.

- Vó... nós temos medo?

- Não, só nos protegemos umas às outras.

- Mas, porque precisamos de nos proteger? Quem pode querer nos fazer mal? Os sáurios não conseguem atravessar o pântano e só eles é que nos podem fazer mal. Ou não existem só os sáurios ?

- Não, Leda, o mundo é muito grande e o que vês, do que tens conhecimento, é como de uma recém-nascida até chegar a mim.

- Então, existe muita coisa! Diz-me algumas, que nos possam fazer mal.

- Olhar para ti Leda, faz-me sentir mais confiante. Porque, contigo, nunca o nosso domínio ficará em perigo. Mas, promete-me, que não falaras com nenhuma das outras.

- Prometo.

Leda já quase gritava de desespero. Inquieta aguardava o grande segredo.

 

 


publicado por lazulli às 09:13

Sábado, 5 de Maio de 2007

SintoMe: incapaz de mostrar a verdade ao homem

EscritoPorLazulli lazulli às 23:18
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais

Caos

 

 

 


No princípio era o Caos

E do caos nasceu a vida

E da vida nasceu a forma

E da forma nasceu o ser

E do ser nasceu o Homem

E do Homem nasceu o pensamento

E do pensamento nasceu a razão

E da razão nasceu o querer

E do querer nasceu o ter

E do ter nasceu o poder

E do poder nasceu o deus

E do deus nasceu a omnipotência

E da omnipotência de novo nasceu o Caos.


(Março 1991)

indiferente

publicado por lazulli às 16:22

Sexta-feira, 4 de Maio de 2007

SintoMe: ... sem esperança ao ver a protecção ao Islão

EscritoPorLazulli lazulli às 15:16
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008

Poemas aos Deuses (I)

 



Nem que um deus

Pequeno ou grande

Puro ou misturado

Livre ou disfarçado

Se prostrasse em frente a ti

Te tocasse o rosto

ao de leve

Te olhasse de frente

os olhos negros como a noite

com a sombra

a cobrir o buraco negro

dos pensamentos escondidos...


Nem que o pequeno deus

Te permitisse

Pegá-lo pela mão

e com ele

atravessasses a floresta

mágica invisível

ao olho humano...

tão deficiente sentido

Floresta não densa

mas misteriosa

Mistérios ocultos ao olhar

Não humano

Mas descrente

do que não pode e não sabe alcançar.


Nem que

O pequeno deus

Permitisse a partilha

e comer da tua própria boca

Nem que as gotas de vidro cristalizado

brotassem ininterruptas

de um deus

diante de ti...


Tu Homem

Não o reconhecerias

Não o sentirias

Não o perceberias

Porque os deuses para ti

São peças de um jogo primeiro

e esquecido

com objectivos concretos

a atingir

um jogo pérfido

indigno de deuses

Um jogo

meramente humano

querendo ser divino.


Assim como na eternidade

passada

Também tu Homem

Arrogas-te o direito

de dizeres que os conheces

Mas eu simples humana

Digo-te

olhando-te do baixo onde me situo

permanentemente

Digo-te que

Não os conheces

Não sabes quem são

os deuses que aqui estão.


Conheces deles

Os dogmas obscuros

que sobre si pesam

que foram dar à anterior civilização

que fez esta

onde te encontras.


Conheces

o conhecimento do homem

oportunista

Aquele que

com pequenos raios de luz

difusa

atravessou as redes de pescadores de sonhos

Conheces as lendas

que deles sobram.


Mas digo-te eu

do baixo onde permanentemente me situo

Não conheces a sua dor

nem o seu amor

Não conheces a sua tolerância

a sua persistência

A sua fé

no Homem

quase perdida

com a sua dor profunda

por existirem homens como tu

Únicos baluartes da verdade

exposta

Autênticos lutadores

para fazer ressurgir

a luz fosca do passado

Mas pouco ou nada guerreiros

da verdade e da justiça que caracterizam

Os deuses da antiguidade.


Não corras a praticar rituais

aos deuses

Corre a amá-los

se fores capaz

Corre em seu socorro

Porque

ao socorrê-los

É a ti homem

que estás a socorrer

Porque um dia

os deuses desistem

de tanta incompreensão

de tanta ignorância.

Sempre o deus pequeno

aceita o sacrifício

de te manter homem

a alma e o coração


Os deuses choram

eles choram

Os Deuses sentem

eles sentem

Os deuses

nunca desistem

do amor

essência divina

de onde surgiram.

Não desistem

das partículas

de si mesmos.


Escuta a voz

dos deuses

que aqui estão

e que te falam.

Se não és capaz

de os reconhecer

quando por ti se cruzam

és capaz pelo menos

de os ouvires

quando docemente

te querem poupar?!


Não sabes o que é o sofrimento

homem

Porque só conheces

o sofrimento humano.


(2007)

 


penso: vazia

 

tags:

publicado por lazulli às 17:41

Segunda-feira, 30 de Abril de 2007

SintoMe: envolta num mundo de mentira e engano à raça humana

EscritoPorLazulli lazulli às 10:30
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Terça-feira, 28 de Outubro de 2008

Sempre Eterno

 

 

Há quanto tempo...

Foi há tanto... que pensei ter esquecido

Mas a verdade nunca me deixa só

E continuo a acordar, mesmo quando teimo dormir

Evitando assim

Lutas desgastantes com humanos ignorantes da verdade

Tentei em determinada altura, esquecer quem sou

Mas sempre algo ou alguém me relembra

E desperta de um sono profundo e eterno

O meu forçado esquecimento

Da minha essência, nem perdida ou esquecida

E, o ignaro pérfido ou bizarro me desperta

Para que não durma eternamente

Saberão eles o que fazem quando me despertam?!

Não me deixam dormir ou esquecer

Usam sempre uma nova arma

Para o meu não esquecimento

E, assim, aqui estou eu de novo

Olhando o interior de um mundo estranho e desconhecido

Sempre eterno

E, lá está o Tempo inimigo persistente

A marcar a presença daquela que depôs

Haverá acabar para o Nada?

Tento de novo dormir ou fico de novo acordada?

Dentro de mim a forçar quanta vez recalcada

Insiste em actuar a Força, pouco transformada

Eu “simples humana” preferia não ter que a defrontar

Mas os meios trazem à luz a força desconhecida

Que não quero usar

Castigando pela sua também ignorância de um mundo feito

Esperança... esperança... humana

Que um dia deporia

Ouviria o som do meu som, dizer uma palavra

Materializa-la e, piedosamente, depositá-la num Amor Maior

Que não me exigisse nada

A ternura eterna dos sentimentos pequenos.

Mas esse dia nunca chegou

Ninguém neste mundo realizado

Foi para mim suficiente

E, já não acredito

Porque este jogo, é grande, muito maior do que eu

Você seria... nunca acreditei... mas hoje será que me enganei?

Mas, nem tive tempo para começar

E já se entranhou o estranho entre nós

Mais um tempo adiado

Um cristal de luz doente

Continuará doente

Prisioneiro da luz que não quer para si, nem distribuir

Ínfima centelha invisível

Quantas vezes atravessas-te o ar

Desconhecida...

E depositaste claridade nos merecidos

e também nos ignaros

Retraíste-te, contraíste-te , tornando-te prisioneira

Do cristal enegrecido com pensamentos alheios

Poderosos seres

Continuarão a enegrecer-te

Se continuares a dormir.


(2003 maio )

 
publicado por lazulli às 12:09
Quinta-feira, 26 de Abril de 2007
SintoMe: ... apreensiva com a encruzilhada do mundo

EscritoPorLazulli lazulli às 20:23
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais

Prisioneira Do Tempo




Foi Prisioneira do Tempo que te conheci

E o mesmo Tempo, continua a aprisionar-me e a confundir-me

Ao relembrar-me de ti...

Em conflito, com a tua e minha existência

A medo... relembro-te e esqueço-te

Mas o meu pensamento persiste inseguro, incerto e temeroso

Mas preciso de um amigo

E esse amigo és tu

Só podes ser tu

“A Grandiosidade da Divindade” continua a existir

Ajuda-me a sair deste emaranhado em que me encontro

Ajuda-me a libertar-me desta loucura

Ou então atenua a minha existência, num mundo que não é meu

Sê o meu confidente

Não me deixes sozinha aqui

Preciso de ti.


penso: "VestígiosLongínquos" - do livro de poesia

publicado por lazulli às 10:47

SintoMe: ... olhar o mundo apreensiva
Palavras: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

EscritoPorLazulli lazulli às 00:43
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Domingo, 26 de Outubro de 2008

Atlântida





P'ra lá do mar

Há um lugar que não conheço

Mas não esqueço

O esquecido passado longínquo

 

Relembrado e guardado por Sólon

Imortalizado nos escritos de Platão

E recordado pelos saudosos autores de nossos dias

Que deixaram antever as raízes do passado

D’uma humanidade destruída e perdida nas brumas

 

 

Tão longe e tão perto

Que a memória se perdeu

Mas não a de todos

Porque alguém continua a te recordar

Perpetuando a tua existência do passado

Não deixando esquecer

A realidade da tua veracidade

Mas muitos foram também os que quiseram

Te manter oculta

Longe de tudo e de todos

Como se nunca tivesses existido

Deram outra data ao tempo

Transformando-te num mito

Mas tu

Continuas enigmática aguardando que te façam ressurgir

De entre o mar revolto de calmaria

Silenciosa aguardas no mar do teu nome

Para que os homens saibam onde e porque erraram

No passado longínquo

Mas ressurgires

Será o acabar das lendas criadas depois de ti

Taparam as suas lendas com uma outra lenda

A tua

Inventaram-te

Quando tu existias

Esqueceram-te

Quiseram que realmente houvesses desaparecido

E desapareces-te quase totalmente

Na tua forma física

No meio e sob o mar

Nesse lugar

Que eu não encontro

Mas sei que existe

Junto do fogo adormecido

D’um vulcão inactivo

Aguardando o despertar

Quieta

Silenciosamente quieta

Continuas a aguarda que algum filósofo te devolva a vida morta

Mas os filósofos desapareceram com o passar dos tempos

Dando lugar aos políticos

Sábios do teu e nosso tempo

Quais os melhores ou piores de todos eles

Ninguém mais te relembra na tua verdadeira forma

Ou te quer fazer ressurgir

Passaste a ser mesmo lenda

Onde antes havia o provir

Quanto tempo continuarás silenciosa

Nesse aguardar eterno

Se esperas o entendimento do Homem

Acumularás sobre ti

Uma outra civilização semelhante à tua

A quem tu deste lugar um dia

Quando também procuravas uma outra

Que te tinha também antecedido

E desvanecido quase totalmente

Continuam a procurar-te

Depois de te terem encontrado

Como se fora pouco o que viram

Do que restou de ti

Pisaram teu solo

E não te reconheceram

Porque te quiseram grande

E eras pequena

É o teu conhecimento

Que procuram desesperadamente

Não a ti

Porque a ti já te encontraram

Esqueceram os restos dessa civilização

Quanto os restos que sobram de ti

Espalhados pelo oceano

Mesmo sob o teu regaço

Quando chegarem ao teu conhecimento

Nem os restos sobrarão

Não terão tempo de entenderem

Que perpetuaram o teu conhecimento

Dando-lhe a forma do saber deformado

Descontentes

Duvidam de si próprios

Porque querem a imortalidade iniciada

O poder ilimitado

E tê-lo-ão

Como tu

Até ao ressurgir de uma nova/velha civilização

Ensina-nos o caminho

Para o teu mundo guardado

Não nos dês o que sabes

Antes o que nunca soubeste

Talvez assim

A gente chegue de verdade a algum lado

Sem precisar de ser transportado

Quanto se falou de ti

E quão pouco se disse

Do que eras ou quem eras

 

 

Perdida

No meio das águas imensas

Que te cobrem

E nos pássaros que te cruzam

Todos os dias

Está a tua sabedoria

O verdadeiro saber

Para quem quiser entender

Onde está a tua cultura e o teu conhecimento

Partícula de um mundo perdido e esquecido

Vogando sobre as águas do meu mundo

Olhando o silêncio

 

 

Dizem-te um mistério

Porque a sua imaginação nunca te imaginou

Uma lenda um mito

Porque nunca te compreenderam

És o sonho de um profeta poeta um filósofo

Queriam-te física

Não espiritual

Continuam a violar as águas em teu redor

Na tentativa

De mais depressa te desvendarem

Descobrindo o véu que te envolve dentro das águas

Mas tu deixas antever

A luminosidade do teu "rosto"

Mostrando o paraíso perdido dos Açores

Querendo que se mantenha essa tranquilidade que conquistas-te

Teimosamente eles querem desmembrar-te

Violar os teus segredos

Em volta de ti

Querem adivinhar-te e um dia vão conseguir

E esse será o dia do teu ressurgir do nada

Tomando de novo forma mas esta já fechada

Fundirás em ti mais um mundo civilizado

De leis sem sentido

A que um dia no passado começaste por dar forma

Até chegar aos nossos dias

 

 

Tu aprendeste

Com a tua morte

Mas nós ainda não

Aprenderemos um dia contigo nas profundezas do teu mundo oceânico

E dormiremos também chocados com a nossa ignorância

Olhando o mundo cá em cima a copiar-nos

Esperando silenciosos que entendam a verdade

Ou aguardando também pela sua queda

 

 

Ontem

Eras um continente imenso

De querer poder e saber

Ontem

Eras o berço de uma humanidade instruída

O sonho de quem vivia

O mundo de quem sentia

E espalhavas o teu saber

Instruías como uma mãe

O mundo inteiro

Levando o teu saber aos quatro cantos do mundo

Ou seriam cinco

Perpetuaste

O teu passado oculto

Chegaste tão perto do passado

Que te transformas-te no teu próprio passado

Fundindo-te nele

O procurado

Deste a luz e as trevas a quem te viu

O saber perdido a quem te ouviu

E tu própria

Sumiste por entre as brumas de um tempo mal entendido

Passando de guia a guiado

Foste assim

Eterna na sabedoria

Foste a luz menor de um mundo maior que tu

E de ti hoje

Restamos nós aqui

Também teimosamente perpetuando o teu saber

Na nossa sabedoria ignorante

Até ao perecer de todos nós

E no futuro breve

Outros te procurarão em nós

Tentando descobrir

Este saber de ser

Quem somos nós

Qual o filho que não procura a mãe

Para ir buscar o que lhe falta

A essência do saber perdido

Todas as Pátrias das civilizações

Têm um berço comum

Que propagam um ideal de vida

No decurso de milénios

Que vai crescendo multifacetado

Dando lugar a um infinito perpétuo

Gatinha e cresce como uma criança

E assim como ela o fim chega inevitável

E só algumas sementes

Ainda em estado embrionário

Se manterão e recriarão

Para dar lugar a um novo berço

De uma nova e mesma civilização

Tu senão a primeira foste uma delas

E neste decurso moroso

Os teus rebentos

Aqui estão

Mergulhados nesta nova escuridão

Com um berço semelhante ao teu

Exibindo democracias e utopias

Que sempre mantiveste

Não entendemos que estás aqui

Dentro de nós fazendo-te ressurgir

Espalhando o teu saber pelo mundo inteiro

Exibindo as tuas leis enevoadas pelo passar do tempo

E somos nós que olhamos o teu cume físico

Aguardando um saber que já sabemos

Que fazemos ressurgir-te das cinzas

E damos vida aos teus anseios

Mas ainda nenhum de nós te entendeu

Nenhum de nós te quis manter perpétua

Transformamos-te todos os dias

Numa metamorfose doentia

Porque ainda não queremos te conhecer

Mas continuas teimosamente dentro de cada um

Ressurgindo sempre no pensamento deste morrer

 

Recordar-te-ão

Sempre que a ciência mal entendida do passado

Te relembre ao nosso lado

Na nossa própria ciência

Numa simbiose sem princípio ou fim

De tanta tradição longínqua

Que continua a atravessar os séculos

O teu mistério continua silencioso no meio das brumas

À espera que nos venhas ensinar o esquecido

Foram tantos mas tantos

Que perturbaste com a tua memória

Ao longo dos milénios

Que te confundiram

E reinventaram

Com fantasias fantasmagóricas da criação

Dando até lugar à religião

São tantas as obras que falam de ti

Tantos os costumes até aqui

Que saber-te é ver-te ressurgir em cada dia

Dentro das brumas escondidas de cada ser

Todos te conhecem

Ou julgam conhecer

 

E mesmo assim continuam quedos

Enchem os olhos com as tuas margens

Deleitando-se nas cores que te preenchem

No ar leve sob as nuvens

No mar continua a ser o teu lugar secreto

E tão perto

Que qualquer um

Te podia fazer ressurgir

Mas eles fogem obrigados

Para o outro lado do mar

E não irão regressar

Outros valores se interpuseram entre ti e eles

E só as gaivotas vagueiam sobre ti

Num lamento triste de assinalar tua presença

São os navios que te cruzam diariamente

Quanto as pequenas embarcações do passado

Levando um fugitivo isolado

Para o outro lado

Com a grandiosidade de um continente

Estás esquecida

Quiçá perdida

Imponente na tua simplicidade

Dormindo desperta um sono calmo

Onde quer que eu fique

Lembro de ti

A humanidade inteira te procura

Talvez porque ainda te recordem

Bem dentro de seu Ser

Também numa outra camada fossilizada

Procuram a verdade que escondeste nas tuas ruínas desaparecidas

Mas a vida brota incessante

Como um diamante no meio do oceano do teu nome

Ainda estás por aqui

Tão perto

Que te tocámos diariamente

Nas novas descobertas de comando da humanidade

Na esperança de um novo mundo

Dar-te-emos de novo vida

Para em seguida te destruirmos

E poderes voltar a ser de novo lenda

Para os povos a seguir te fazerem ressurgir

Nesta morte e vida perpetua

Ciclo sem princípio ou fim

Até esse esperado dia

 

Do entendimento da verdade.

 

 

"Vestígios Longínquos"

publicado por lazulli às 12:14

Segunda-feira, 23 de Abril de 2007

SintoMe: ... a olhar o mundo

EscritoPorLazulli lazulli às 20:19
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Sábado, 25 de Outubro de 2008

A Grande Mãe (I)


 

 

I Capítulo

 

 

 

 

Leda cavalgava já há muito tempo pelas planícies onde habitavam os homens. Destes quase só tinha ouvido falar, agachada nos recantos da caverna onde se juntavam as mais velhas, não lhe sendo permitido, ainda, frequentar a caverna onde em cada lua cheia se reuniam desde as anciãs até às jovens guerreiras, Leda sentia-se à parte por a considerarem ainda nova demais para participar nas decisões da vida, como todas as outras. O seu espírito livre e inquisidor, sem arreios, levava-a muitas vezes a fazer o percurso tortuoso das montanhas galgando pedregulhos e armadilhas pondo em perigo muitas das vezes a sua própria vida, mas a curiosidade e a indisciplina do seu espírito, valia-lhe todos os riscos e secretamente quando a lua começava a aparecer no céu estrelado levantava-se sorrateira por entre as meninas que dormiam e entre os gemidos de umas e de outras, lá ia conseguindo chegar à entrada da tenda de peles de toda a sorte de répteis, existentes na planície, habilidosamente unidas umas às outras com fios retirados das crinas dos seus fogosos cavalos, feitos pelas mulheres mais velhas. Aquelas que já não montavam por a sua idade avançada não lhes permitir saltar para cima de um cavalo quanto mais manterem-se direitas em cima dele. Embora muitas destas mulheres transportarem em si o conhecimento da vida e orientarem todas as outras. Perspicazes, eram sempre elas que se apercebiam quando alguma coisa não estava bem não só na tribo como também no mundo. Temiam os homens embora os dominassem com um simples olhar. Eram cuidadosas nas suas análises sobre estes e compreensivas mas também determinadas quando de quando em vez alguns deles nas suas entradas no clã com autorização destas ou porque iam levar a caça com que trocavam utilidades que só elas sabiam construir. Nunca conseguiram que a tribo de Leda nas trocas que faziam, lhes fornecessem manufacturas de ferro. O lugar da forja jamais fora visto por qualquer um deles mesmo quando permaneciam por mais tempo nos domínios das mulheres com o intuito de estas aumentarem a sua prol. Não eram muitas as vezes que isto acontecia e quando acontecia todo o clã ficava em silêncio e alerta. A pouca idade de leda não lhe permitia perceber porque tantos cuidados e tanto receio mas de qualquer modo também não simpatizava com estes peludos meio vergados e mal cheirosos quando estes ali permaneciam. Lembrava-se quando a sua primeira mãe aquela de onde tinha surgido recebeu um destes animais tímidos mas raivosos. Lembrava-se bem do olhar carregado de ódio que lhe lançava de soslaio como se não estivesse a ser observado e pudesse de um momento para o outro saltar-lhe em cima. Mas era na caverna dentro da montanha que eram ditos todos os segredos da vida e um segredo só existe porque encobre alguma coisa má. E ela continuava a tentar descobrir o que seria tão mau que lhe escondiam e embora lhe tivessem prometido que quando tivesse 10 luas começaria a participar junto com todas as outras destas reuniões sentia que não conseguia esperar tanto tempo para saber. Mas toda a gente na tribo conhecia Leda pela sua irrequietude e ansiedade. A a primeira da sua primeira avó, mãe primeira da sua primeira mãe, ainda tinha sido a única a compreender Leda e contar-lhe histórias antigas mas que em vez de incutir em Leda calma e espera surtiu efeito contrário. Aí sim, Leda teve a certeza que todas lhe escondiam alguma coisa grave.

 

(continua)

 

penso: ficção

Sexta-feira, 20 de Abril de 2007

publicado por lazulli às 19:11

 

SintoMe: ficção

EscritoPorLazulli lazulli às 11:41
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais

Desde a Origem...

(.... dedicadoCarlitos)


 


Tinha nascido

Era meigo e querido

E mantinha a inocência do Ente dentro de si

Cresceu sozinho sempre sozinho

E o pensamento tardava a vir

O seu Ente não entendia o mundo que o cercava

porque continuava puro desde a Origem que o formara

Mas foi o tempo longo demais e seu inimigo

Ouve um dia

Só um dia no tempo

Só um momento que andou

E sentiu frio quando despertou

Olhou e nada viu

Ele não era de ninguém

E também ninguém era seu

Não entendeu

Não entendeu e sofreu em silêncio o seu espanto

Todos tinham alguma coisa

Todos faziam parte de algo ou de alguém

Todos pertenciam a um lugar a um sítio

Todos tinham alguma coisa sua

E ele não tinha nada não era nada nem ninguém

A solidão foi forte

Quando gritou e ninguém o ouviu

A dor foi grande

Tão grande que o Universo ouviu e estremeceu quando o perdeu

Porque o menino queria arrancar esta agonia de ser diferente de toda a gente

E começou a caminhar com a dor da descoberta ainda estampada no rosto

Seguindo pelo caminho onde caminhavam todos

conquistando a simpatia dos que antes não entendia

E esta simpatia perdeu-o completamente

Quanto mais queria ser igual a eles

mais desigual se tornava ele dentro de si

Algo não o abandonava

Experimentou tudo quanto viu

Seguiu fielmente os passos dos seus vizinhos e conseguiu

Conseguiu estar com eles

e fazer como eles

Falar como eles

“Ser” como eles

Mas o menino não sabe que morreu ao querer ser igual a eles

Porque nunca poderá ser quem não é

O menino predestinado a crescer dentro de si

Para que o Universo dele tivesse orgulho

não sabe que a sua diferença continua a existir

E vai reclamar sempre o seu direito de ser

por mais insignificante mediocridade que lance sobre si

Um dia vai prestar contas a si mesmo do que fez consigo próprio

O menino não é um ser do mundo

E tem que saber isso

O menino é mais que nada é tudo

Mas é tudo quanto não é

O Universo está cansado de sua luta pela Verdade-Justiça do Cosmos

Existe o teu lugar menino

Existe o teu Mundo do outro lado da Vida.


penso: "Vestígios Longínquos"

publicado por lazulli às 17:4

Quinta-feira, 19 de Abril de 2007

 

EscritoPorLazulli lazulli às 09:09
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Sexta-feira, 24 de Outubro de 2008

Mulher

 
 
 
 


Mulher

Que acaricias meigamente o rosto de teus filhos

Que cobres tuas lágrimas com falsa indiferença

Que procuras ignorar teu sentido de mulher,

na ignorância que te é imposta pelo teu “irmão” homem.

Que com dores de parto

Dás ao mundo seres que um dia te desprezam, te caluniam, te humilham

e te fazem rastejar pela lama suja que “eles” criaram

e onde te obrigam a deitar

Que sofres nesse silêncio forçado

O teu grito oculto de tristeza infinita e sujeição.

Que acabas como que um escravo dos primeiros temos

pensando que nasceste para obedecer sem pensar

Te esquecendo que és tu que dás seres a toda a humanidade

Que fazes tudo pensando que não tens o direito de pensar

Pensa em ti Mulher

Começa pois a raciocinar

e dá-te o verdadeiro sentido do que realmente és

Um ser humano

Não és um animal indefeso

prisioneiro de quem teimosamente quer prevalecer sobre ti.

Pensa... Sente...

E verás que como o ser que quase na totalidade te ignora

A não ser para seus belos prazeres carnais.

Também tu Mulher

Foste feita da mesma maneira que eles

Nasces-te do mesmo modo que eles

E tens ainda o privilégio de dar a vida aos seres

Recorda... Não como algo insignificante

Porque não é!

As dores do parto

Teu doloroso sofrimento silencioso

através da longa data a que pensas estar sujeita

Que como eles, nasceste despida

e que como um ser humano

Enfim... peço-te, eu mulher jovem

que vejo já desde criança as injustiças que te impõem

que retomes o lugar a que pertences

Sem medo, sem receio

Quer o que é teu

Nunca é tarde

Que aos filhos que no teu ventre se formam

Lhes dês a igualdade justa

Não se formam eles dentro de ti, da mesma maneira?

Não ficam ambos o mesmo tempo e se alimentam de ti do mesmo modo?

Ambos não te fazem sofrer?

São iguais

Pensa e verás que tenho razão

Apesar de nunca ter passado por essa bela experiência

Que é ser, Mãe

Não dês liberdade total a um

roubando quase inconscientemente a liberdade do outro

Não queiras que tuas filhas sejam tão infelizes

quanto tu o foste.

Não é justo que digas amar aos dois

quando para um lhe dás o pleno direito de liberdade

e ao outro lha roubas, dizendo ser o seu dever

Nada é esse dever que te meteram na cabeça

Como uma qualquer disket é posta pelo homem num computador

Tua filha é um ser

que precisa de amor e não de sujeição

Não dês continuação a teu sofrimento no ser que crias

a tornando infeliz

Não tens o direito de lhe roubares tudo

Dando o que lhe pertence a outro

Deixa-a ser um ser humano

Tal como o teu filho

Ambos se alimentaram no teu ventre

E ambos nele se formaram

Pensa e medita e encontrarás a verdade que te escondem.

Mulher, ser Mulher é belo

Quando se é realmente Mulher.

E Mulher, não é um ser comandado

mas sim um ser sentido até ao profundo de seu ser

Um Ser Amado.



Quarta-feira, 18 de Abril de 2007

penso: ... (do Livro De Poesia) "Vestígios Longínquos"

publicado por lazulli às 17:13

SintoMe: ... com medo do islão

EscritoPorLazulli lazulli às 22:48
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais

1999 abril

 

A partir daqui, o Mundo nunca mais será o mesmo. É, este, o resultado da guerra, que os Estados Unidos da América, levando a reboque todos os governos da Europa, pertencentes à Nato ou OTAN, como queiram chamar, conseguiu com o ataque à Jugoslávia. Todos os cobardes ou diabólicos governos, que compactuaram com esta agressão, a um País que tem o direito de o ser, como qualquer um destes países que o ataca, a pretexto de ir defender uma minoria de Albaneses no Kosovo (província da Jugoslávia e parte integrante deste mesmo País). Segundo País, nesta escala de violência, levada a cabo pela América e Nato. O primeiro País, a sofrer desta violência inexplicável, foi o Iraque, em 1989, que de tantas e tantas armas de destruição massiva que possuía, não lançou nenhuma. Com certeza, porque as não tinha, de contrário, os famosos "Aliados", nem se teriam atrevido a tanto. Além de que, ainda hoje, não se percebem bem, os reais objectivos deste ataque. Quanto mistério! Quanta destruição! Quanta dor! Os mais fortes continuam a vencer os mais fracos, e continuam impunes. Intocáveis! Arrogantes e senhores de tudo e todos. Quem os parará? Quem? Por enquanto, parece que ninguém. Parece que o desarmamento bélico só foi para alguns. E os que mandaram desarmar continuaram a armar-se. Também parece que o mundo inteiro está a dormir. Não vê o óbvio. Porque será? Devíamos oferecer uns óculos a todos ou aconselhar, os governos do mundo inteiro, a ir ao oftalmologista. A sua cegueira parece cada vez maior. O futuro da humanidade político, social, económico e religioso, nunca mais será o mesmo neste planeta já por si frágil em todas estas estruturas. Não haverá mais liberdade para o pensamento. Não haverá mais liberdade para ser. Penso até que de hoje em diante, a escalada de ocupação mundial dentro de todos estes sectores, será tão rápida que não teremos tempo de respirar entre um e outro ataque às nossas liberdades de evolução como seres humanos livres. Permitimos tudo isto, com os nossos votos ridículos em homens ambiciosos e demoníacos. Ao longo dos tempos, enganaram-nos e permitimos que nos explorassem, escravizassem e não dissemos, basta. Permitimos calados e hoje será difícil retroceder este Plano tão bem montado por todos eles. Que pretenderão? Não sei bem. Estarão sozinhos? Também não tenho a certeza. Mas sei que o mundo deu neste milénio o primeiro passo para a sua definitiva mudança. E não mostra ser para melhor. Iniciamos com mortes, massacres e perda de identidade, substituída com carimbos nas palmas das mãos, este processo. Cegos, estamos todos cegos. Talvez, para estes Senhores do Mundo, tivesse chegado o momento ideal para pôr em prática aquilo que têm vindo a preparar à muito tempo. O Plano, está em curso a toda a velocidade. E não é verdade que o ser humano está no ponto? Este foi o século da manipulação mental do homem. O que se segue, não será mais que o século da sua concretização. À tanto tempo que antevia a manipulação do Homem... eu mesma tive dificuldade em não me deixar manipular por toda a imprensa mundial e pela sua cabala. Hoje estou e sou livre para pensar e raciocinar livremente. Não me tiraram a razão. Mas foram tantos e tantos de qualquer idade e condição que se deixaram ir nesta torrente, que as suas mentes já se encontram perdidas em um qualquer oceano desconhecido. Nem sei bem o que fazer pró futuro, apenas em silêncio e calmamente, estou atenta a todos os seus movimentos. Não serei apanhada desprevenida, neste seu processo de aniquilação mental e não só, do ser humano. Se eu acreditasse em deus do mesmo modo que esta maioria da humanidade, também lhe pedia ajuda, antes que do homem sobrem apenas bonecos. Queria acreditar em forças maiores de protecção ao ser humano. Queria acreditar que não será tão nefasto este processo e esta nova civilização que se encontra à porta do mundo; mas, não vejo como, porque não acredito de modo algum nas suas implantações cerebrais. Talvez remotamente exista uma possibilidade. Se não estão sozinhos estão acompanhados e se o estão, outros ainda além destes, podem existir e um dia interferir. Se estão sós, só ao Homem compete impedir este evoluir. Talvez, quem sabe, ir em busca do seu graal, no tal oceano desconhecido, e, recuperar, a sua essência perdida. Não permitir uma Civilização igual nem diferente e sim construir uma completamente diferente de todas as que existiram e as que virão. “Deus” ajude os humanos a perceber a verdade e o seu verdadeiro sentido de ser humano.

 

 

penso: hoje está SOL

publicado por lazulli às 12:02

 
SintoMe: ... atenta ao avanço islâmico no mundo

EscritoPorLazulli lazulli às 16:05
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Quinta-feira, 23 de Outubro de 2008

Vida

 

 




O sussurro do silêncio me enche de paz

Numa doce agonia de morta-viva .

Retornar lá... onde o Tempo não existe...

Ou ficar cá? Que importa!

Se ainda não sei bem se existo.

Que me interessa ficar querendo

Se os quereres me são vedados pela chamada Vida.

Vida que não sei se existe

Pois não a sinto dentro de mim.

Vagueio eternamente e sem saber porquê.

(haverá continuidade: depois do tudo nada, que é tudo?)

Qual desejo de ser nada, se já o sou!

Tormento constante e doloroso que é imposto a mim própria,

Quando meus olhos feridos pela noite e pelo dia,

Me dão a visão de um mundo

Para mim totalmente desconhecido.

 

 

 

Ah! morta-viva ”

Que procuras ainda com teu sorriso?

Que olhas tu nos outros

Que te dê um pouco de alegria ainda?

Deste meu lugar que és tu e onde tu és eu

Vejo-te desfilar penosamente dentro da Vida.

Olho-te, e a tristeza que sentes

Me dá raiva em vez de alegria.

Quantas vezes te sinto perdida e pequenina,

No meio desse tudo-nada que é a Vida!

E, me revolto contra ti, ferida,

Por não quereres saber ainda o que é a Vida.

Tento dizer-te, falar-te, fazer-te entender o que é a vida

Mas, já não sou complacente para contigo.

Já te grito sem jeito a Vida;

Já te grito com raiva e agonia, a vida nos teus ouvidos!

O temor apossa-me. E, desesperada,

Ainda tento dizer-te: Vida!

Mas é inútil! desgraçada! Tu não me ouves,

Mesmo sabendo que existo dentro de ti,

Bem escondida neste lugar escuro,

Onde tanta vez puseste luz.

Deixa-me respirar, solta-me!

Quero viver por ti!

Quero mostrar-te a Vida

Que tão desapiedadamente teimas em esconder-me.

Sei ver melhor do que tu, teu sorriso e olhar enigmáticos,

Que os outros não trespassam, por não saberem dentro deles,

Um ser deles, como eu sou dentro de ti.

Estou presa nestas grades que não existem

Onde me aprisionas com a esperança de um novo dia.

Deixa-me gritar que estou viva!...

E estrebucho dentro de ti desesperada

Por tão lentamente caminhares sem rumo

Para um fim que não existe.

Deixa-me sair, alma querida!

Deixa-me sair, linda menina!

Para que teu Ser, que me é tão querido,

que tanto amo, possa Viver.

Deixa-me viver!

Solta-me!

Estou presa dentro de ti.

Qual esperança de quê?

Vive para que eu possa viver.

Dá a esse teu corpo a vida como a sentimos.

Restitui a luz a teu rosto.

Sinto-o fechar-se lenta e penosamente sobre mim.

Sufoco dentro de ti...

E eu não quero morrer,

Pois ainda não vivi!

Respira o doce da luz, e a essência desta nossa Vida

Porque ela existe aí!

Nessa terra que pisas vacilante com teus pés cansados.

É tanta a escuridão que se vai fazendo bem cá dentro!

Estou a morrer...

Agonizo...

E, ainda num sopro débil, te imploro, suplico:

Dá-me Vida!

 

 

 

Sinto que gritas desesperada dentro de mim,

Alma minha.

Mas, não posso mais!

Nem sei como dar-te a Vida que pedes!

Não grites mais por mim, moribunda,

Eu bem te ouço

E ainda me sinto morrer mais,

Quando soluças de raiva e desgosto.

Eu bem te ouço, alma querida!

Não me grites mais o que é a Vida.

Eu, tanto quanto tu, quero viver a nossa Vida

Mas não posso!

Toma o meu lugar e vê.

Olha que, como tu, também eu estou aprisionada

E sinto fugir-me a vida.

Faço-te morrer pela luz que te recuso

Mas já não sei por onde caminho.

Já tentei todo o lugar

E em todo o lugar acabei no Nada.

Para que queres viver se eu não vivo?

Para que me desesperas e atormentas mais sobre a Vida?!...

Deixa que lenta e penosamente

Morra também contigo.

Deixa-me findar sem fim!

Porque isto aqui é horrível.

Não há lugar para mim, coisa real à vista,

Quanto mais para ti, sentido!

Também em mim, já nasceu a raiva, senão o ódio,

Por ti, alma querida

Tanta coisa me deste que não faz parte desta vida...

Fazendo-me sentir neste lugar

Que não há lugar para mim...

Também eu quero dizer-te que tenho raiva de ti, quanto da Vida!

Mas fraquejo, para detestar-te eternamente,

Como mesmo à própria vida.

Odeio ambas, quanto as quero ainda.

De que te queixas, alma minha?

Não sentes mais do que eu a agonia.

Nem a vida que me roça os ouvidos, suplicante...

Vocês não entendem?!!...

Que são vocês que me devem libertar, amar e dar-me a vida!

Entre vocês, eu não sou nada!

Não é sem luta constante que morro lentamente!

Não se queixem tanto!...

Não me firam mais os ouvidos!

Eu bem vos ouço,

Apesar que vossos apelos

São ecos meios perdidos no espaço/tempo.

Não farei mais...

As forças foram-se deste corpo que me destes

E com ele... vão vocês e vossas vozes suplicantes

De raiva e nostalgia.

É a minha vez de gritar-vos!

Não vos ides de mim...

Dai-me vida...

Ainda quero viver!

 

 

Vestígios Longínquos (escrito aos 14 anos de idade)

(publicado por lazulli 16.Abril.2007)

 
SintoMe: Islão, Não!

EscritoPorLazulli lazulli às 15:38
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008

Dorme Terra




 


 

Passam apressados,

inquietos, atarefados

continuam...

o caminho percorrido, indefinido.

Gente que caminha sem saber para onde

aguardando a prometida

voz inaudível

que tarda em chegar.

Dormem e continuam a dormir

mesmo quando caminham

p'ra qualquer lado.

Aí vão e continuarão a ir

no meio de multidões

crentes andantes

caminhantes sem rumo

 

por um fim anunciado.

Ninguém os vai ouvir neste local

Ninguém quer saber de onde vêm e p'ra onde vão

os desamparados que aqui estão.

Lá ao fundo

onde os dois rios se cruzam cobertos de sangue

a lama envolve corpos mortos e trucidados

verdes ferrugens que andam por aqui e por ali

espalhando o terror nos rostos lívidos

Ainda ninguém os amparou

Ainda ninguém quis saber

Máquinas de guerra de outros tempos e outras eras

 

continuam a queimar o chão para onde vão

Matreiro e traiçoeiro O Encoberto descoberto assiste sorrindo

à miséria alheia.


Espanta-te! Óh Terra!

Porque sobre ti caminham outras gentes

Semeiam sem parar outra semente

sobre teus sulcos ensanguentados.

Envolvem corpos e corpos no teu corpo

Molham de fogo vivo teu solo morto

e fermentam-no com as tuas espécies.

Quando acordas do teu sono profundo

e te inquietas com quem te pisa

é sobre a tua espécie crucificada

que reduzes a nada

e em quem te vingas

da arrogância descarada.


Dormes

E quando acordas é aos teus que penalizas

levando-os de novo à terra que outros pisam.

Até tu estás cega, Terra

e a tua cegueira não os vê

Os teus carrascos ocupam-te e maltratam-te

mas é a eles que poupas nas tuas fúrias

de revolta já mal contida.

Sacodes do dorso usurpados e usurpadores

indiferente nos teus rancores

a amores e desamores

dos que caminham sobre ti leves e cansados

e dos que te pisam esventrando teu solo

matando a vida que há em ti.

Não reconheces ninguém

nas tuas fúrias

Não distingues a massa humana que te cobre

quando se trata de dares o troco

é as “barracas” do teu povo

que caiem por terra desamparadas.

 

Eles estão aqui

há muito tempo

tanto tempo

que se fundiram em nós nesta mistura.

Vê-los todos os dias

Figuras imponentes de arrogância

supremos poderes em abundância

que andam sem caminhar por todo o lugar

Levam a morte a todo o mundo

destroem os caminhos por onde passam

sulcam os mares os céus e a terra

atravessando toda a esfera

pesados monstros cuspindo fogo vivo

de encontro a seres desprotegidos

o ar aclareia como se fora dia

quando velozmente atravessam os céus

gritos de dor ecoam por toda a Terra

Crianças tombam no chão mortas, feridas, órfãos

 rastejam cobertas de sangue em busca da segurança perdida.

Sós

estão sós e desprotegidas.

 

Dorme porque o caminho já começou

Dorme para não veres o que se passa

Dorme Terra

Levamos a morte à morte

e carregamos de novo os mortos para os depositar

no mesmo lugar

Na Terra prometida

devolvendo-lhe de novo a vida morta

para uma nova vida.


 

do livro Vestígios Longínquos

poesia

publicado por lazulli às 14:32

Sexta-feira, 13 de Abril de 2007

SintoMe: à espera

EscritoPorLazulli lazulli às 20:30
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais

meu senhor amado


 




Teu nome é meu nome

É minha vida

E tudo o que “tenho” e sou

És tu

Recordo-te no Tempo que nem sei existir

Tão pouco sei ou nada de ti

Recordo o Tempo que nem sei certo ter ou não existido

Neste tempo ou noutro tempo

Passado presente ou futuro

Se pudesses me dizer porque estou aqui

Pensando sempre em ti

Amo-te tanto

Que não está a chegar este tempo para te amar

Diz-me quem és

Porque estou eu aqui à espera de ti

Se nem sei se existes

Amo-te tanto

Que o tempo está a ser insuficiente para te amar

Onde estás

Se existes

Qual de nós dois deixou de sentir

Qual de nós dois procura o outro

Qual de nós

Diz-me o teu nome

Para poder falar-te

Mesmo não tendo resposta

Estarei mais perto de ti

Deixa que eu grite teu nome por todo o infinito

Para que todos os Deuses se lembrem de mim

Queria gritar teu nome, ao espaço que vejo daqui

Talvez com a esperança que meu grito

Chegasse até ti

Quem nos separou

Quem nos roubou.


tags:

publicado por lazulli às 16:40

Quinta-feira, 12 de Abril de 2007

SintoMe: em luta contra o Islão

EscritoPorLazulli lazulli às 11:20
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais
Terça-feira, 21 de Outubro de 2008

Regresso ...

 
 

 

Ao mundo que penso esquecer


E nunca esqueço!

 

Às trevas da luz onde adormeço!

 

À dor aguda onde me perco!

 

 

 


penso: "Do Livro Vestígios Longínquos"

tags: lazulli.blogs.sapo.pt/tag/poesia" rel="tag">poesia

publicado por lazulli às 14:29
12 de abril de 2007

SintoMe: revoltada com o mundo

EscritoPorLazulli lazulli às 23:13
link do post | comentar | AdicionarAosIntemporais

UmaEstranhaNumaTerraEstranha


lazulli

sempretriste

. 6 seguidores

VerNaCasaDeCristal

 

Intemporais

... cega ...

Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SonsDaMinhaAlma

SonsDaMinhaAlma

Setembro 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Junho 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Janeiro 2012

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

EscritosRecentes

cristal

Quando a Natureza fala ma...

,,, bicéfala,,, a Serpent...

em luta pela liberdade

São lágrimas, senhor, são...

alma

A Promessa

... desisti

manto negro

... vivo em Tiamat?!

... do livro de Dzyan...

Ming's

O Universo em mim

Tentação

Quem Criou Deus...

LeioEstes

AsMinhasFotos/Imagens

DireitosDeAutor

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. OsEscritosDesteBlogEstãoRegistadosNoIGAC Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. DireitosDeAutor É expressamente interdita a reprodução parcial ou integral de todos os escritos deste blog por qualquer processo, incluindo a fotocópia e a tradução e transmissão em formato digital. Exceptua-se a reprodução de pequenos excertos para efeitos de recensão crítica ou devidamente autorizada por escrito pela AUTORA do Blog CasaDeCristal, lazulli. Peço desculpa aos que me lêem por ter que ser assim e obrigada. lazulli - (inp) M.D.L.M.D.F.D.C.B.

NoPlaneta

Flag Counter 34 561

ÚltimasMemórias

Bem Vindo à CasaDeCristal, paulo joséConsegues exp...
paulo jose juliopra ke brincar com santo nome de d...
Vasconcelos.... como esqueceria eu, o seu blog, on...
Saúdo o seu regresso com saudade. Desejo-lhe os ma...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...

subscrever feeds

TraduzirOBlog

Google-Translate-Chinese (Simplified) BETA Google-Translate-English to French Google-Translate-English to German Google-Translate-English to Italian Google-Translate-English to Japanese BETA Google-Translate-English to Korean BETA Google-Translate-English to Russian BETA Google-Translate-English to Spanish
Google Translation

OsQuatroElementos


glitter-graphics.com PorqueAVerdadeNãoSurge AHumanidadeChoraPeloSangueDerradoDosInocentes